MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
18/11/2017
09 de agosto de 2016 às 17h52 | Rural

Agricultura familiar movimenta R$ 224 milhões na economia de Mato Grosso do Sul

Do total aplicado R$ 118 mi foram para custeio e R$ 105 mi investimentos na melhoria de propriedades

Por: Agraer
Divulgação/Agraer

 

Se o que engorda a criação é o olho do dono, muitos agricultores seguem bem essa premissa em Mato Grosso do Sul. Isso, porque mesmo cautelosos diante da instabilidade econômica do País, a agricultura familiar como um todo mantém um bom ritmo de trabalho e, só na última safra, injetou R$ 224.308, 00 milhões em crédito rural no Estado, por meio do Pronaf – Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar.

Do valor total aplicado pelos 79 municípios sul-mato-grossense, R$ 118 milhões foram para custeio (aquisição de sementes, medicamentos e ração para animais, etc), e R$ 105 milhões investimentos na melhoria direta nas propriedades (recuperação de pastagens, compra de animais ou equipamentos, construção ou reforma de armazéns, por exemplo).

Grande parte do recurso captado deve-se a forte aliança entre os pequenos produtores rurais com a Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), instituição responsável pela elaboração dos projetos de crédito rural do Estado.

O diretor-presidente da Agraer, Enelvo Felini, ressalta a importância do Pronaf como sendo um instrumento essencial na expansão das atividades agrícolas e pecuárias, com condições de prazos, juros e carências que caibam no bolso dos produtores rurais.   “Além da formulação do documento, a Agraer oferece serviços de Ater [Assistência Técnica e Extensão Rural] para os produtores. Tudo para que eles possam aplicar o dinheiro de maneira correta e que traga um saldo positivo na produção. É esse saldo que vai dar renda as famílias rurais e condições para que o financiamento seja honrado no banco, evitando as inadimplências”, afirma.

O balanço definitivo do crédito rural aplicado em Mato Grosso do Sul, safra 2015/2016, só sairá no final deste mês. Mas, pelo que tudo indica, conforme os dados do Banco Central (BCB) – Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito Rural e Proagro (Serop), os cinco municípios que lideram o ranking no Estado são: Dourados (R$ 25 milhões), Fátima do Sul (R$ 9 milhões), Itaporã (R$ 8 milhões), Deodápolis (R$ 7,885 milhões) e Ivinhema (R$ 7,750 milhões).

Uma listagem que chama a atenção pela presença de municípios pequenos em posição de destaque, como é o caso de Fátima do Sul que, até o momento, ultrapassou Sidrolândia, considerada a cidade com o maior número de assentamentos do Estado, 26 comunidades ao todo.

A razão dessa mudança se dá em chácaras como a do senhor Nivaldo Lopes. Há 12 anos tirando o sustento da própria terra, o agricultor conta com orgulho as conquistas alcançadas com o crédito rural. “Já é o quarto Pronaf que acesso. O último, eu comprei três vaquinhas para melhorar o rebanho. Se Fátima do Sul está se destacando, acredito que é porque o povo está acreditando no programa, crescendo e conseguindo pagar”, afirma.

Assistido pela Agraer e com acesso ao Pronaf, Nivaldo e a esposa, Mariana, educam os dois filhos adolescentes, José Vitor e Maria Letícia, com a renda que tiram da produção de leite e do plantio de soja e de milho.

“Dedico 4,2 hectares para o gado e 7,26 hectares para os grãos. Produzimos queijo e mexemos um pouco com mel. Com nosso trabalho e assistência já conquistamos carpineiras, ordenhadeiras e um resfriador. O juro do Pronaf é baixinho e isso ajuda. Se fosse pegar direto de um banco seria alto e juntar dinheiro para pagar três mil ou seis em animais, por exemplo, pesa no orçamento”, justifica.

Já Dourados lidera o pódio há pelo menos 12 anos. Com a segunda maior população do Estado, a cidade conta com cerca de 212.870 habitantes, destes 14.982 vivem no campo. “Além do aspecto populacional, acredito que o motivo de Dourados estar sempre entre os primeiros do ranking é devido ao serviço de assistência técnica efetiva e permanente junto aos produtores rurais e suas famílias. A qualidade e o bom atendimento do serviço prestado auxilia nesta troca de informações com os produtores”, avalia o coordenador municipal da Agraer de Dourados, Mauro Pelegrini.

O Pronaf faz parte de recursos viabilizados pelo Plano Safra da Agricultura Familiar. O lançamento é feito anualmente, no mês de julho, pelo Governo Federal.

No dia 1º de julho, foi anunciada a liberação de R$ 241 milhões para a agricultura familiar. Valor esse que está incluso no montante de R$ 5,19 bilhões do Plano Safra 2016/17. “Dos R$ 282 milhões liberados para Mato Grosso do Sul, R$ 224 milhões foram movimentados de fato no Estado. Este ano, a União reduziu os investimentos, creio que pelo cenário econômico atual. Contudo, queremos movimentar a maior quantia possível do que foi aprovada”, declara Felini.

E para isso a Agraer, autarquia do Governo do Estado, conta com uma equipe de 330 servidores (zootecnistas, engenheiros agrônomos e agrimensores, veterinários e técnicos agrícolas e pecuários) que atuam da porteira para dentro das pequenas propriedades. “O atendimento é realizado durante todo ano, diretamente com as famílias, realizando visitas mensais, dias de campo, workshop, seminários e reuniões. Orientamos em todos os aspectos da produção: preparo do solo, plantio, tratos culturais, colheita, comercialização e social incentivo na participação em feiras e exposições agropecuárias”, detalha Pelegrini.

 “O benefício do Pronaf, é que o recurso adquirido pelos produtores fica no comércio local, gerando riqueza para os municípios. Além da segurança financeira através da garantia do preço mínimo e do seguro pelo Proagro Mais.  Existem também programas como PAA [Programa de Aquisição de Alimentos] e PNAE [Programa Nacional de Alimentação Escolar] que incentivam o aumento da área e produção. Assim, a produção da agricultura familiar é consumida, também, nas escolas das cidades e pelos próprios filhos dos agricultores familiares”, lembra Pelegrini.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas