MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
14/12/2017
13 de setembro de 2017 às 14h37 | Economia

Após dois meses de queda, Campo Grande registra inflação de 0,15% em agosto

Entre os produtos e serviços, maior elevação foi da batata, com 12,07%

Por: G1

Após dois meses consecutivos de redução nos preços, Campo Grande registrou em agosto uma inflação de 0,15%, conforme o Índice de Preços ao Consumidor (IPC/CG), apurado pelo Núcleo de Estados e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes), da Uniderp.

De acordo com o Nepes, quando analisada a série histórica do mês de agosto na capital sul-mato-grossense, o percentual deste ano é o menor desde 2015, quando foi registrada na cidade uma deflação de 0,37%.

A inflação acumulada nos últimos 12 meses, em Campo Grande, é de 2,36%, índice abaixo do centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é de 4,5%. No acumulado de 2017, ou seja, em oito meses, o índice chegou a 1,16%.

De acordo com o coordenador do Nepes, Celso Correia de Souza, entre os grupos de produtos e serviços, os principais responsáveis pelo aumento da inflação em Campo Grande em agosto foram os segmentos de “Transportes”, com o percentual de 1,16% e o “Habitação”, com 0,42%.

Entre os principais motivos citados pelo núcleo para o aumento expressivo no grupo “Transportes” está o aumento nos preços dos combustíveis, como a gasolina (4,26%) e etanol (4,15%). As passagens de ônibus intermunicipal e interestadual também subiram 7,90% e 6,31%, respectivamente.

Já no “Habitação”, a alta foi motivada, principalmente, pelos aumentos nos preços de eletrodomésticos e nas contas de energia elétrica, com a mudança da bandeira tarifária para vermelha.

Individualmente os produtos e serviços que registraram as maiores altas no mês foram: batata, 12,07%; linguiça fresca, 8,82%; ovos, 7,41%; queijo de minas, 6,62 %; vestido, 5,77%; gasolina, com 4,26%; etanol, 4,15%; sabão em pó, 2,29%; energia elétrica, com inflação de 2,03% e automóvel zero quilômetro, 1,40%.

O coordenador do Nepes destaca que a expectativa para os próximos meses é que a inflação continue em patamares bem baixos, propiciando a baixa dos juros e a retomada do crescimento econômico pelo país.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas