MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
18/10/2017
14 de junho de 2016 às 14h22 | Economia

Área de fronteira de MS é autorizada a exportar carne in natura para a UE

Desde 2011 área tinha o reconhecimento como livre de aftosa pela OIE

Por: G1
G1

Grupo de 13 municípios de Mato Grosso do Sul, da região de fronteira com o Paraguai e a Bolívia, que faziam parte da antiga Zona de Alta Vigilância (ZAV), foram autorizados a vender carne bovina in natura para os países da União Europeia (UE).

A ZAV havia sido criada em 2005, quando surgiram focos de aftosa em Mato Grosso do Sul, na região de fronteira com o Paraguai. Entretanto, graças a uma grande mobilização que envolveu produtores, o governo do estado e a União, a doença foi erradicada e normas sanitárias rígidas foram adotadas em toda a região.

Em 2008, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) reconheceu o estado como área livre de aftosa com vacinação, com exceção da área da ZAV, que obteve esse status da entidade internacional em 2011.

Segundo o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Luis Rangel, com a decisão da UE, que vale a partir do dia 1º de julho deste ano, todo o estado estará apto a vender o produto para o bloco.

O regulamento da Comissão Europeia que amplia a área apta a vender carne in natura foi publicado no sábado (11), no Jornal Oficial da União Europeia e aponta que a antiga ZAV já era reconhecida pela OIE como área livre de aftosa com vacinação.

Ainda segundo o regulamento, foi o próprio Brasil, por meio do Mapa, que pediu a UE a autorização para a venda de carne fresca ou refrigerada produzida a partir de animais criados nestes municípios de Mato Grosso do Sul aos países do bloco e apresentou garantias de sanidade animal suficientes em defesa do seu pedido, o que justificou a liberação.

A área autorizada pela União Europeia engloba os municípios de Corumbá e Ladário, bem como a região localizada a 15 quilômetros das fronteiras das cidades de: Porto Murtinho, Caracol, Bela Vista, Antônio João, Ponta Porã, Aral Moreira, Coronel Sapucaia, Paranhos, Sete Quedas, Japorã e Mundo Novo. O restante do estado já tinha permissão para exportar carne in natura para a UE desde 2008.

Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), o estado embarcou para a UE no acumulado de janeiro e maio de 2016, 2,730 mil toneladas de carne bovina, representando 6,06% do total do produto exportado por Mato Grosso do Sul no período, que foi de 44,995 mil toneladas.

Da carne bovina vendida para o mercado europeu este ano, 33,92% do total foi de produto fresco ou refrigerado, o que representou 926,423 toneladas. O restante foi de carne congelada. A exportação de carne in natura “made in MS” em 2016 foi feita para cinco países do bloco: Holanda, com 394,662 toneladas (42,60% do total), Suécia, com 219,969 toneladas (23,04%), Alemanha, com 190,303 toneladas (20,54%), Itália, com 98,081 toneladas (10,58%) e Espanha, com 23,408 toneladas (2,52%).

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas