MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
20/04/2018
23 de março de 2018 às 08h40 | Interior

Estudo de viabilidade de ferrovia entre PR e Dourados é autorizado

O trecho tem cerca de 1.000 quilômetros de extensão e ligará o Porto de Paranaguá (PR) a Dourados

Por: Da Redação
Divulgação/Jorge Woll

O governo do Paraná autorizou na quarta-feira (21) a abertura dos estudos de engenharia e de viabilidade técnica, ambiental e econômica para implantação de uma nova ferrovia, com cerca de 1.000 quilômetros de extensão, que ligará o Porto de Paranaguá (PR) a Dourados.

A assinatura do termo técnico foi no Palácio Iguaçu, com a presença dos representantes das empresas habilitadas para o trabalho e representantes do Banco Mundial (Bird). Quatro consórcios, entre os seis que se candidatam para a elaboração dos estudos, vão fazer os levantamentos necessários para a implantação do novo ramal ferroviário.

A obra da nova ferrovia está dividida em dois trechos. O primeiro tem 400 quilômetros e liga Guarapuava ao Litoral do Paraná. O segundo vai de Guarapuava até Dourados, passando por Guaíra, com a construção de mais 350 quilômetros de trilhos.

Porto

Menos de 20% das mercadorias que chegam a Paranaguá são atualmente entregues por via férrea. A projeção é que haja crescimento de 450% com o novo ramal ferroviário. Conforme a Agência Paraná Notícias, em 2011 o porto tinha movimentação anual de 36 milhões de toneladas. Em 2017, foram 51,5 milhões.

Consórcios

Os consórcios responsáveis pelo estudo são HaB, constituído pelas empresas Bureau da Engenharia ECT Ltda, Hendal e Advice Concultoria e Serviços; o consórcio SSSE, formado pela empresa espanhola Sener Ingeneria e pelas nacionais Sener Setepla e Engefoto; o consórcio Egis-Esteio-Copel, do qual fazem parte a empresa francesa Egis Engenharia e Consultoria Ltda e pelas nacionais Esteio Engenharia e Aerolevantamentos S.A e Copel, e o consórcio formado por Sistemas de Transportes Sustentáveis – STS, Pullin e Campano Consultores Associados e Navarro Prado Advogados, pela consultoria Millennia Systems, dos Estados Unidos, e pela EnVia Technologies International.

 

 

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas