MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
26/07/2017
14 de junho de 2017 às 09h16 | Geral

Governo discute negociação salarial com nove sindicatos filiados à Federação dos Servidores Públicos

O encontro foi para detalhar as limitações financeiras do Estado para concessão de reajuste salarial

Por: GOVMS
Divulgação/GOVMS

O secretário de governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, e o secretário de Administração e Desburocratização, Carlos Alberto de Assis, receberam nesta terça-feira (13), representantes de nove sindicatos filiados à Feserp-MS (Federação Sindical dos Servidores Públicos Estaduais e Municipais de Mato Grosso do Sul). O encontro foi para detalhar as limitações financeiras do Estado e reafirmar o compromisso do governo em buscar alternativas que viabilizem uma proposta de reajuste geral para os servidores do Poder Executivo.

“Temos feito diversos estudos do impacto que esse índice representaria nas finanças do Estado, visto que a despesa com o pagamento dos servidores do Poder Executivo de Mato Grosso do Sul está acima do limite máximo da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). No momento dependemos do aumento da receita que, por sua vez, está relacionado a situações conjunturais externas (como a renegociação da dívida do BNDES, aumento da arrecadação do ICMS do gás boliviano e a revisão da Lei Kandir) para reavaliar a possibilidade de concessão de um reajuste. O momento é de muita cautela, pois só faremos o que pudermos cumprir”, explicou Eduardo Riedel.

“O governo depende do andamento de situações conjunturais externas, como a revisão da Lei Kandir e a renegociação da dívida com o BNDES, para reavaliar a possibilidade de concessão de um reajuste”, explicou Eduardo Riedel.

Na ocasião, o secretário de governo destacou as medidas de contenção de despesas adotadas desde o início da gestão, como a Reforma Administrativa que reduziu o número de secretarias de 13 para dez, revisão de incentivos fiscais e a PEC do limite dos gastos públicos, em busca do equilíbrio fiscal. “Adotamos todas as medidas que podíamos para reduzir as despesas e agora temos buscado todas as alternativas possíveis para aumentar a receita”, concluiu Riedel.

Os representantes sindicais se mostraram receptivos aos fatos expostos e reforçaram a importância do diálogo permanente para, além da questão salarial, discutir a correção das distorções de carreira: “Eu agradeço a oportunidade de sentarmos juntos para discutir essa questão”, destacou o dirigente do Sindicato dos Funcionários Administrativos da Educação (Sinfae), Abrão dos Santos Meireles. “O trabalho sindical é de avanços e conquistas. Como governo nós entendemos e respeitamos isso”, completou o secretário Carlos Alberto de Assis.

Foi definida a data de 3 de julho para uma nova reunião para discutir a possibilidade do governo conceder algum benefício salarial que atenda a todos os servidores. As demais discussões específicas de cada categoria permanecem em andamento junto à Secretaria de Administração e Desburocratização (SAD).

Sindicatos

Participaram da reunião representantes da Federação Sindical dos Servidores Públicos Estaduais e  Municipais de Mato Grosso do Sul (Feserp); Sindicato dos Trabalhadores e Servidores da Administração do Estado de Mato Grosso do Sul (Sinsad); Sindicato dos Fiscais Estaduais Agropecuários do Estado do Mato Grosso do Sul (Sifems); Sindicato dos Funcionários Administrativos da Educação (Sinfae); Sindicato dos Profissionais de Processamento de Dados de MS (SPPD); Sindicato dos Agentes de Segurança Patrimonial (Sindasp), Sindicato dos Gestores Estaduais Agropecuários, Agentes Fiscais Agropecuários, Agentes de Serviços Agropecuários e Auxiliares de Serviços Agropecuários (Sigeasfi); Sindicato dos Trabalhadores em Instituições de Extensão Rural, Pesquisa, Assistência Técnica, Serviços Agropecuários e afins (Sinterpa).

Promoções

 

Mais de 14 mil servidores públicos de Mato Grosso do Sul foram promovidos nos últimos 30 meses. Nesse mesmo período, foram concedidas 6,2 mil progressões funcionais e os reajustes negociados com as categorias chegaram a alcançar 41% do valor da tabela salarial.  Mais informações em matéria sobre o assunto.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas