MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
19/07/2019
18 de abril de 2019 às 11h24 | Saúde

Governo do Estado levou acesso à saúde para dentro das aldeias de MS

Mais de 3,5 mil exames foram realizados em diversas especialidades

Por: GOV MS
Divulgação/GOV MS

A saúde é um dos alicerces do bem estar de qualquer ser humano, podendo até ser considerado o principal. Sem ela não há trabalho, educação, ou seja, dignidade. Um Estado que garante o acesso à esse serviço fundamental, demonstra o quanto se preocupa com a população. Foi com este propósito que o Governo de Mato Grosso do Sul colocou em prática criou o programa “A Saúde Mais Perto de Você Indígena”.

Nos moldes do programa que atendeu milhares de pessoas em todo o Estado, a caravana nas aldeias chegou onde muitos aguardavam anos para atendimento médico. Miranda, Aquidauana e Amambai receberam médicos ginecologistas, dermatologistas, cardiologistas e mais 14 especialidades que realizaram mais de 16.700 procedimentos.

“A Caravana da Saúde para a população indígena deu um olhar diferenciado para nós índios”, avaliou Silvana Terena, subsecretaria estadual de Políticas Públicas para a População Indígena.

O projeto aconteceu em três etapas. Em novembro de 2017, Miranda recebeu o programa com todo aparato para a realização de consultas, exames, orientações como higiene bucal. Somente nesta etapa foram 3.026 procedimentos, 650 consultas, 2.376 exames e 25 cirurgias gerais.

Na ocasião, o governador Reinaldo Azambuja ressaltou a importância das parcerias que deram musculatura ao projeto, podendo desta forma alcançar a os povos nativos.  “Foram feitas 50 mamografias, e dessas 30 das mulheres foi a primeira vez que fizeram esse exame. E a gente sabe que o diagnóstico precoce aumenta em 100% as chances de cura do câncer”, afirmou em visita ao evento de Miranda.

Parcerias como foi selada com a Universidade de Mato Grosso do Sul (UFMS). A instituição participou do programa com dois contêineres onde foram prestados atendimentos nas áreas de oftalmologia e odontologia. Marcelo Turine, reitor da universidade disse que o projeto também beneficiou os acadêmicos do curso de medicina que prestaram atendimento nas aldeias. “É uma ação inédita para a educação e a ciência, importante para a formação dos nossos alunos com essa vivência prática”, ressaltou.

Em Aquidauana, abril de 2018, 6.410 procedimentos,  1.061 consultas, 763 exames, além de atendimento de cidadania, como emissão de documentos e outros, que somaram 1.889. E Amambai, registrou 7.353 procedimentos, 2.348 serviços burocráticos, 2.267 consultas e 401 exames.

A Caravana da Saúde realizada em aldeias é considerada a maior ação de Governo voltada aos povos indígenas e contou também com a parceria das prefeituras e os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI).

Avanço na prevenção da saúde feminina

Com a presença de várias instituições, programa uniu forças para levar atendimento onde não chegava e realizar procedimentos que antes não tinham aceitação nas aldeias

Silvana Terena frisou que a adesão das mulheres indígenas foi extremamente importante. Na cultura dos nativos, a mulher tem uma postura mais reservada. “Muitas não chegam nunca próximo a um médico. É cultural, foi mais uma ação que rompeu barreiras”, completou. 

Além de consultas de variadas especialidades, foram realizados exames eletrocardiograma, eletroencefalograma, PSA (câncer de próstata), preventivo (papanicolau), mamografia, ultrassonografia, câncer de pele e prevenção ao câncer bucal.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas