MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
03/12/2020
06 de novembro de 2020 às 08h22 | Meio ambiente

Imasul realiza exames de ultrassom e raios-x em onça pintada; quadro do animal é estável

Sob os cuidados do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), no Centro de Recuperação de Animais Silvestres (CRAS), a onça pintada resgatada no Pantanal com queimaduras nas patas foi submetida no final da manhã desta sexta-feira (6) a exa

Por: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul
Sob os cuidados do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), no Centro de Recuperação de Animais Silvestres (CRAS), a onça pintada resgatada no Pantanal com queimaduras nas patas foi submetida no final da manhã desta sexta-feira (6) a exames de ultrassom e raios-x no próprio CRAS. A equipe de médicos veterinários que acompanha o tratamento do animal contou com o apoio de técnicos e profissionais da UFMS, para a realização do ultrassom e da Cavalaria da Polícia Militar, para os exames de raios x. Foram verificadas as condições dos pulmões e outros órgãos do felino, bem como alguma possível fratura. Os resultados dos exames devem ser apresentados na próxima semana. “Fizemos a sedação no animal e realizamos todos os exames necessários em parceria com a UFMS e com a Cavalaria da PM. O estado de saúde dessa onça pintada, a priori, é estável. O animal já está se alimentando e apresenta ‘comportamentos de defesa’, o que já representa uma evolução no tratamento que estamos realizando nesse animal e nos dá uma boa expectativa de recuperação”, informou o veterinário do Imasul Lucas Cazati, responsável técnico do CRAS. A onça pintada macho, de aproximadamente dois anos de idade, estava em companhia de outra onça macho numa região da Serra do Amolar, próximo ao rio Paraguai, aparentando severa debilidade e com dificuldades para andar devido aos ferimentos causados pelo incêndio que voltou a atingir aquela localidade. Socorridas por equipes que atuam no Pantanal, as onças foram sedadas, tiveram os ferimentos tratados e depois transportadas para Campo Grande em uma aeronave da Força Aérea Brasileira. Os animais chegaram ao CRAS em 3 de novembro, foram medicados, examinados e colocados em recintos separados para se recuperarem dos ferimentos. Um animal, entretanto, não resistiu e morreu cerca de duas horas depois. O corpo está passando por exame de necropsia para determinar a causa da morte. Segundo adiantou ontem o veterinário Lucas Cazati, o maior problema nesses animais nem são as queimaduras, porém a grande quantidade de fumaça que inalam durante a tentativa de se livrar do incêndio.
Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas