MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
24/09/2017
28 de agosto de 2017 às 15h21 | Geral

INSS começa convocação de aposentados por invalidez que passarão por pente-fino

Em MS 14.430 aposentados passarão pela revisão do benefício

Por: Da Redação
Reprodução

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e o Ministério do Desenvolvimento Social iniciaram na sexta-feira (25) o envio das cartas de convocação dos aposentados por invalidez que passarão por revisão do benefício.

Estão sendo convocados mais de 1 milhão de aposentados por invalidez com menos de 60 anos e que estão com o benefício sem revisão há mais de dois anos.

Neste primeiro lote, foram enviadas 22.057 cartas para 25 estados e o Distrito Federal, com exceção de Roraima.

Em Mato Grosso do Sul, um balanço do Instituto realizado no início do mês de agosto apontou que 14.430 aposentados, nesta situação, passarão pela revisão do benefício.

Quem receber a carta deve entrar em contato com o INSS pelo número 135 em até cinco dias corridos (exceto domingo) e agendar a perícia. Quem não fizer o agendamento terá o benefício suspenso.

A partir da suspensão, são contados 60 dias para que se marque a perícia. Se o agendamento for feito nesse prazo, o benefício é liberado até a realização da perícia. Passados os 60 dias sem que o beneficiário se manifeste, o benefício será cancelado.

A previsão é de que as primeiras perícias médicas comecem em setembro, levando em conta os prazos de entrega das correspondências e de contato dos beneficiários pelo número 135 para a marcação do agendamento.

O pente-fino realizado pelo governo abrange o auxílio-doença e a aposentadoria por invalidez. Segundo o ministério, a conclusão do processo de revisão tem prazo legal até dezembro de 2018. A economia prevista ao final do pente-fino é de R$ 10 bilhões.

Auxílio-doença

No caso do auxílio-doença, até o dia 4 de agosto, foram realizadas 210.649 perícias com 168.396 benefícios cancelados. Ao todo, 530.191 benefícios de auxílio-doença serão revisados. A economia anual estimada até agora é de R$ 2,7 bilhões.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas