MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
23/09/2020
12 de março de 2020 às 07h54 | Educação

Mais da metade dos pesquisadores de Mato Grosso do Sul são mulheres

Mulheres que se destacam pela ciência tem sido pauta desde o início do mês de março, quando pesquisadoras sequenciaram o genoma do coronavírus, o Covid-19 apenas 48 horas após a identificação do primeiro caso da doença no Brasil.

Por: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Apesar da grande visibilidade, o fato não é raro, e o número de mulheres pesquisadoras e cientistas é inspirador não apenas por pertencerem ao sexo “frágil”, mas especialmente, pelo grau de relevância de pesquisas coordenadas por elas.

Em Mato Grosso do Sul as mulheres representam 58,3% no total de pesquisadores e somam 13.106 conforme dados gerais da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia de MS (Fundect), que consideram desde a iniciação cientifica ao pós-doutorado.

Fonte infinita de recursos para diversos fins científicos, a flora de Mato Grosso do Sul é a base de estudos de pesquisadoras sul-mato-grossenses, em especial de três mulheres que coordenam grupos que estudam todo potencial existente na castanha de caju, no tucum e na guavira.

Liderado pela Professora Doutora Alexeia Barufatti, um grupo de seis pesquisadores da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) desenvolveu um detergente à base do líquido da casca da castanha do caju, que em contato com a água, elimina as larvas do mosquito da dengue. Já patenteado, o produto é capaz de matar as larvas em até três horas de ação.

O trabalho agora espera que alguma empresa se interesse em inserir o princípio ativo nos detergentes convencionais. Sobre o protagonismo feminino na pesquisa, Alexeia destaca: “É muito importante a luta das mulheres para que possam fazer a sociedade avançar com descobertas e inovações nas diversas áreas de conhecimento seja na matemática, física, química, biologia ou demais áreas”.

Outro fruto nativo estudado por um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) formado 80% por mulheres, é o tucum, encontrado em abundância na região Pantaneira.

A pesquisa, coordenada pela nutricionista doutora em Ciências da Cirurgia, Elisvânia Freitas dos Santos, identificou que não existia nenhum estudo sobre as atividades farmacológicas do produto, que possui grande quantidade de compostos bioativos, o que pode ser de grande ajuda no combate e tratamento de doenças cardiovasculares, diabetes e até câncer. Elisvânia fala orgulhosa do grupo de pesquisa que conta com 15 pesquisadoras. “Me sinto feliz, realizada e motivada à inspirar outras mulheres”.

 
What do you want to do ?
New mail
Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas