MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
21/11/2017
16 de junho de 2016 às 15h32 | Rural

Ministério da Justiça envia Força Nacional para atuar em área de conflito em MS

Policiais chegaram em Caarapó na noite dessa quarta-feira

Por: Da Redação com G1
G1

A Força Nacional de Segurança Pública está em Caarapó desde a noite dessa quarta-feira (15) para atuar na área de conflito entre índios e produtores rurais. Eles foram ao município a pedido do governo de Mato Grosso do Sul devido ao clima de tensão que está na região após confronto na fazenda Ivu, na terça-feira (14).

O confronto entre índios e fazendeiros resultou na morte, a tiros, do agente de saúde indígena Claudione Rodrigues Souza, de 26 anos. O corpo será velado no mesmo local do conflito. Outros seis índios, entre eles um de 12 anos, foram baleados. Três passaram por cirurgia e todos continuam internados, sem risco de morte e sem previsão de alta.

Até o fim da manhã, policiais da Força Nacional e da Polícia Militar (PM) local estavam reunidos com o Ministério Público Federal (MPF) para definição dos trabalhos.

Os índios estão na fazenda Ivu desde segunda-feira (13), de acordo com a PM. Após o confronto, muitos foram para a rodovia que dá acesso à propriedade rural e fazem barreiras. Eles estão pintados e com arco e flecha e pedaços de pau.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) informou que a área está na Terra Indígena Dourados-Amambaipeguá. Conforme o órgão, ela é tradicionalmente ocupada e está em estudo para regularização fundiária.

A convivência entre indígenas e produtores rurais em Caarapó tem histórico de tranquilidade apesar do confronto de terça-feira, segundo o Sindicato Rural do município.

Em nota, o sindicato rural de Caarapó afirmou que "lamenta o clima de tensão, uma vez que os produtores rurais da região  sempre tiveram bom relacionamento e boa convivência com os indígenas”.

Também em nota publicada no Facebook na terça-feira, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) afirmou que homens armados chegaram em 60 camionetes e atiraram em cerca de mil indígenas, incluindo quatro agentes de saúde indígena, que estavam reunidos no território perto da aldeia Te' Ýikuê. A Funai também afirma que os índios foram atacados.

Reféns

Três policiais militares que foram para o local para socorrer as vítimas junto com o Corpo de Bombeiros, foram feridos, feitos reféns e tiveram armas e coletes balísticos recolhidos. Alguns materiais já foram devolvidos. Os indígenas afirmam que já entregaram todos os equipamentos.

A Polícia Federal (PF) aguarda a devolução de todo o material e ainda vídeos do confronto feitos pelos indígenas para avançar na investigação sobre o confronto.

O governo do estado, diz, em nota divulgada nessa quarta-feira, que estão sendo realizadas investigações para identificar os autores das agressões aos policiais, o roubo das armas e os danos causados à viatura policial.

Mortes

Em agosto de 2015, cerca de 80 indígenas ocuparam cinco fazendas vizinhas à aldeia em Antônio João (MS). Durante retomada feita por fazendeiros, os dois grupos entraram em confronto e um indígena foi encontrado morto perto de um córrego, dentro de uma das fazendas.

Em maio de 2013, confronto entre indígenas e policiais durante a reintegração de posse de uma fazenda ocupada em Sidrolândia, a 70 quilômetros de Campo Grande, deixou um índio morto e vários outros feridos.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas