MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
23/10/2017
18 de julho de 2017 às 10h33 | Geral

MS acumula saldo positivo de 4271 vagas criadas de janeiro a junho

Somente no mês de junho de 2017 foi registrada a criação de 250 novas vagas com carteira assinada

Por: GOVMS
Reprodução

Mato Grosso do Sul tem desempenho positivo no mercado de trabalho no acumulado de janeiro a junho de 2017, com saldo de 4271 novas vagas geradas no Estado no período. Os dados estão na Carta de Conjuntura do Mercado de Trabalho elaborada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

Somente no mês de junho de 2017 foi registrada a criação de 250 novas vagas com carteira assinada. “Isso foi resultado de uma recuperação no setor de serviços. No mês passado, os setores que mais se destacaram foram o de serviços, comércio e agropecuário”, comentou o secretário da pasta, Jaime Verruck.

Em termos de ranking brasileiro, Mato Grosso do Sul foi o décimo quarto em geração de novos postos no mês de junho. A criação de novas vagas com carteira assinada deu-se nos setores de: Serviços (667 empregos a mais), Comércio (412 empregos a mais) e Agropecuária (43 empregos a mais). No acumulado dos últimos 12 meses, Mato Grosso do Sul apresenta redução de 815 empregos formais, o que significa uma retração a tendência de recuperação verificada em 2016.

Com relação aos Serviços, os setores que se destacaram na geração de empregos formais em junho foram: Serviços alojamento, alimentação e reparação (145 novas vagas), Transportes e comunicações (100 novas vagas), Serviços médicos, odontológicos e veterinários (91 novas vagas). No acumulado dos últimos 12 meses, há uma tendência de recuperação do setor industrial iniciada em novembro de 2015, apresentando no período uma criação de 203 vagas, sendo 99 na Indústria e 104 novas vagas geradas na Construção Civil.

Entre os municípios, Costa Rica apresentou melhor resultado em junho de 2017, com geração de 624 novos postos de trabalho, seguido de Caarapó com 561. Os piores resultados verificados foram de Campo Grande, com destruição de -584 postos de trabalho e Coxim, com – 251 postos de trabalho formais.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas