MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
21/09/2017
23 de maio de 2017 às 10h46 | Meio ambiente

Pantanal perde 13% da área total para pastagens

O Pantanal está ameaçado pela prática extensiva da agricultura e da pecuária

Por: Progresso
Divulgação/SOS Pantanal

Considerado pelos pesquisadores como o bioma brasileiro mais preservado, o Pantanal está ameaçado pela prática extensiva da agricultura e da pecuária. Segundo levantamentos do Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil (MapBiomas), nos últimos anos, 13% da biodiversidade região deu lugar para as pastagens. Além disso, a agricultura teve um crescimento de 4,4 vezes. Esse tipo de ocupação vinha acontecendo de forma gradual desde 2000. No entanto, passou a ser mais intenso entre 2011 e 2016. Nesse período, a área ocupada por cultivos anuais foi de 6,2 mil para 27,4 mil hectares.

A análise genérica dos números talvez pareça pouco diante dos 5,2 milhões de hectares de florestas no bioma, mas representa um crescimento expressivo e pode indicar uma mudança nas pressões sobre o ecossistema.

O Pantanal também tem um papel de protagonista no enfrentamento das mudanças climáticas, e as ações em prol da preservação dos ambientes aquáticos desse ecossistema podem ganhar muitos reforços dentro do cenário nacional e mundial, algo fundamental para proteger as mais de 4,7 mil espécies de fauna e flora que vivem nessa, que é uma sensível e importante área natural do Brasil.

De acordo com dados do o Ministério do Meio Ambiente, no Pantanal vivem 463 espécies de aves e 132 espécies de mamíferos. O bioma também é uma importante fonte de recursos hídricos do Brasil. Para tentar estimular avanços na construção de uma legislação para o Pantanal, além de estudar os vetores do desmatamento, o Instituto SOS Pantanal tem promovido o diálogo entre os diversos setores envolvidos na proteção da região: academia, membros do Judiciário, empresários, terceiro setor e representantes das populações tradicionais.

Um dos principais pontos de discussão é a necessidade de um entendimento geral sobre como a lei definirá o que é o Pantanal e que metodologia será aplicada para determinar sua abrangência.

Sem um marco legal que traga todas essas definições, como prevê a Constituição, há uma tremenda fragilidade em tudo o que envolve a proteção do Pantanal. Hoje, nem sequer sabemos qual é a legislação correta para definir as áreas de preservação permanente nesse bioma.

Segundo o Instituto, o bioma é hoje um dos menos protegidos do Brasil. Além da lacuna legal de três décadas, desde que o novo Código Florestal entrou em vigor, em 2012.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas