MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
20/11/2017
15 de fevereiro de 2017 às 13h44 | Geral

Polícia pede prisão de suspeitos após morte de garoto ferido em lava-jato

Adolescente teve mangueira introduzida no ânus e morreu após 11 dias

Por: Da Redação

A Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) pediu a prisão preventiva dos dois suspeitos da morte do adolescente de 17 anos, ferido em um lava-jato de Campo Grande após ter uma mangueira introduzida no ânus. O garoto é velado nesta manhã na casa onde morava com a família e o enterro está previsto para o fim da tarde.

O pedido de prisão preventiva foi feito depois da morte do adolescente, na terça-feira (14) segundo o delegado Paulo Sérgio Lauretto, responsável pelas investigações. O garoto estava internado há 11 dias na Santa Casa de Campo Grande e teve morte confirmada às 13h35 (de MS).

Francisco Guedes Neto advogado dos suspeitos, disse nesta quarta-feira (15) que tem conhecimento do pedido de prisão, mas afirmou que não vai se pronunciar a respeito. "Por enquanto, permaneceremos em silêncio em respeito ao sentimento da família da vítima, acreditando que essa fatalidade causou dores para todos os envolvidos", resumiu.

Lesão

O adolescente trabalhava no lava-jato na Vila Morumbi e no dia 3 de fevereiro sofreu a lesão no ânus durante uma brincadeira. O dono do lava-jato, de 20 anos, teria introduzido uma mangueira de compressão de ar no ânus do adolescente enquanto o outro suspeito, de 30 anos, o segurava.

Os dois suspeitos foram ouvidos no dia do crime e não foram presos porque se apresentaram espontaneamente e porque não ofereciam risco à vítima, segundo o delegado Paulo Sérgio Lauretto.

'Brincadeira'

Os suspeitos disseram em depoimento que brincadeiras desse tipo eram comum entre os três e que, no dia do crime, o adolescente teria começado a brincadeira. Uma criança de 11 anos que viu garoto ser machucado com mangueira também foi ouvida pela polícia.

Os suspeitos não tinham ficha criminal e um deles era amigo da família da vítima. Lauretto ainda esclareceu que, a princípio, o caso não foi registrado como abuso porque não ficou evidente a conotação sexual.

O caso aconteceu por volta das 10h de sexta-feira (3). A família da vítima disse para a polícia recebeu uma ligação do dono do lava-jato falando que tinha acontecido "uns negócios" com o adolescente e que ele precisava ser levado para o hospital.

Na unidade de saúde, os familiares foram informados que a vítima brincava no local de trabalho com os suspeitos quando o funcionário o segurou e o dono do local inseriu uma mangueira de compressão de ar no ânus do garoto.

O garoto chegou ao hospital em estado grave e passou por cirurgias. Ele perdeu parte do intestino. A pressão do ar foi tão intensa que estourou o intestino grosso e comprimiu os pulmões, trancando as válvulas respiratórias.

Inicialmente ficou na área vermelha, foi transferido para a área amarela e depois para a enfermaria. Ele chegou a ficar fora de risco de morte.

Segundo a assessoria do hospital, o garoto voltou à ala vermelha na terça-feira de manhã por causa de uma complicação no esôfago,que ocasionou perda de líquido e sangue. No início da tarde, ele sofreu uma parada cardíaca e os médicos tentaram reanimar por 45 minutos.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas