MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
19/12/2018
21 de maio de 2018 às 14h16 | Geral

Prefeitura abre escritório do programa Reviva Campo Grande na sede da Associação Comercial

O Escritório será um dos canais de comunicação entre comerciantes e a população

Por: PMCG
Divulgação/PMCG

O prefeito Marquinhos Trad reuniu lojistas, proprietários de imóveis, empresários, moradores e público em geral para apresentar nesta segunda-feira (21) o cronograma e detalhes da execução das primeiras quadras da obra de Requalificação da Rua 14 de Julho. O encontro aconteceu no Escritório Local do Programa Reviva Campo Grande, que funcionará, em horário comercial, dentro da sede da Associação Comercial e Industrial (ACICG).

O Escritório será um dos canais de comunicação entre comerciantes e população em geral, com a coordenação do Reviva Campo Grande. Além dele, em breve, será lançado o site do Programa, que terá informações detalhadas sobre a obra, como desvios do tráfego, interdições de ruas e tudo relacionado ao programa.

Pela primeira vez, a administração pública municipal convoca a sociedade e todas as partes envolvidas em uma obra para participar das tomadas de decisões, na busca de soluções para que haja o mínimo possível de impactos até a conclusão do projeto.

“Para nós, é indispensável que haja desde o início um diálogo aberto com todos os envolvidos. Esta é a primeira vez que a administração pública chama a todos os envolvidos para apresentar a equipe vencedora do certame de licitação e os técnicos responsáveis pela obra. Nenhum passo será dado sem ouvir os empresários, lojistas, comunidade. Enfim, juntos, nós vamos encontrar as melhores soluções para os problemas. Esse diálogo será permanente, com encontros uma vez por mês”, informou o prefeito.

Em seu pronunciamento, Marquinhos Trad tranquilizou os comerciantes ao afirmar que os consumidores terão acesso às lojas durante toda a obra. “Vamos oportunizar acesso aos consumidores, para que eles cheguem normalmente até as lojas as quais têm o costume e a tradição de fazer suas compras”.

Com a presença da Engepar, empreiteira responsável pela obra, foi apresentada toda a equipe que fará a vistoria cautelar dos imóveis e também o portfólio de produtos que serão ofertados pelo Sebrae aos comerciantes da Rua 14 de Julho.

O empresário Carlos Clementino Moreira Filho falou da visão humanizada que a construtora Engepar adotará durante todo esse processo. “Sabemos da importância que essa obra vai trazer a médio e longo prazo para a população de Campo Grande, mas principalmente para os empresários e lojistas. Os impactos para a execução da obra são necessários, mas faremos tudo com muito cuidado, já que existe também por parte da construtora uma grande preocupação com os comerciantes, para que eles não sofram com as intervenções que vão ocorrer. Entendemos que só temos a ganhar se a gente tiver uma visão carinhosa e simpática durante todo essa obra. A responsabilidade é bastante grande e tudo será pensado e analisado com muito cuidado antes de qualquer ação”, garantiu.

Após ouvir atenta as explicações, a comerciante Kelby Cristina Devicare disse que apesar da ansiedade, sentiu muito firmeza por parte dos técnicos que vão executar a obra. “Ficamos ansiosos, claro. Mas, senti bastante firmeza com essas explicações e no final sabemos que tudo vai dar certo. Ninguém gosta de obra na frente de casa, mas acreditamos que esse processo será para um futuro muito melhor. O que não pode mais é continuar como está, pois a gente vê um centro abandonado. As pessoas deixaram de vir aqui. Estamos confiantes”.

Também comerciante da Rua 14 de Julho, Deusamar Rangel da Silva demonstrou tranquilidade com as explicações durante a reunião. “Essa reunião tranquilizou a gente. O importante é que nossos clientes poderão ter acesso ao comércio normalmente. Então, sendo assim, a gente fica tranquilo. Vamos avisar a eles que vamos continuar atendendo do jeito que sempre foi. Esse processo será por um bem maior, já que o Centro é minha vida, assim como de muitos aqui. Nasci na Rua 14 de Julho e aqui eu sempre vivi. Esse salão existe há mais de 50 anos. Era do meu pai e a família deu continuidade. Essa revitalização é importantíssima. Precisamos dessa mudança”, avaliou.

A diretora-executiva de Planejamento e Gestão Estratégica da Prefeitura de Campo Grande, Catiana Sabadin Zamarrenho, lembra que as obras vão IMG_7755 melhorar as condições de acessibilidade do Centro de Campo Grande. “Além de melhorar a acessibilidade do Centro, as obras vão melhorar a autoestima dos comerciantes, consumidores e colocará o centro da cidade como centro turístico. No começo haverá transtorno, mas depois de concluídas, será muito boa para todos. O local terá acesso para todos: pedestres, ciclistas e motoristas. Por outro lado, a Prefeitura da Capital está elaborando o plano diretor e neste plano está a valorização dos bairros com melhorias”, pontua.

A obra se divide, pelas suas características de acabamento e localização, em três setores, observando que não serão três etapas entregues isoladamente. Confira:

S1 – Avenida Fernando Corrêa da Costa x Avenida Afonso Pena: Neste setor haverá estacionamento e o pavimento será revestido em CBUQ. A alimentação em média tensão pela Energisa será através da Rua Barão do Rio Branco. A extravasão de águas pluviais e esgoto será feita pela Avenida Fernando Corrêa da Costa.

 

S2 – Avenida Afonso Pena (canal) e a Rua Maracajú (talveque): Não haverá estacionamento e a pista de rolamento será executada em piso intertravado. Neste ponto haverá duas extravasões.

S3 – Rua Maracaju e a Avenida Mato Grosso: O estacionamento retorna, alternando-se com as baias de carga e descarga. O pavimento é revestido com CBUQ.

 

 

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas