MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
25/10/2014
20 de maio de 2013 às 08h25 | Educação

Professores de Campo Grande recebem o melhor salário de MS

A categoria terá reajuste de 8% já neste mês de maio, o que representa 82% do piso nacional

Por: Lucas Junot

Depois de sacramentado, na última sexta-feira (7), o acordo entre a prefeitura de Campo Grande e o presidente da ACP (Sindicato Campo-Grande dos Profissionais da Educação Pública), Geraldo Alves, para o aumento salarial e integralização do piso nacional dos professores da Rede Municipal de Ensino (Reme), a Capital será a primeira cidade do País a integralizar o piso nacional dos professores para a carga horária de 20 horas.

A categoria terá reajuste de 8% já neste mês de maio, o que representa 82% do piso nacional. Conforme o acordo, a Prefeitura deverá atingir a integralização do piso nacional em outubro de 2014, com reajustes em outubro deste ano, maio e outubro do próximo ano. “Campo Grande terá o melhor salário para Professor de Mato Grosso do Sul, quiça do Brasil”, disse o presidente da ACP.

Professores da rede pública de ensino que lecionam em turma de educação básica (ensino infantil ao médio) não podem ganhar salário menor do que R$ 1.567 no Brasil, com base no reajuste de 7,97%, realizado no início do ano.

O Prefeito Alcides Bernal informou que o projeto de lei que reajusta os salários dos servidores e dos professores foi enviado na sexta-feira à Câmara de Vereadores. Ele solicitou ao presidente da ACP que convoque os professores para acompanharem a votação do projeto na Câmara na próxima terça-feira.

O reajuste feito em janeiro é um dos menores do piso, definido em lei nacional há cinco anos. No ano passado, o reajuste salarial foi de 22,22%. Segundo a lei, o reajuste segue o mesmo percentual de aumento no valor gasto por aluno no Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica).

Composto por uma parte da arrecadação de diferentes impostos, o fundo é afetado diretamente pelo comportamento da economia nacional. Quanto maior o crescimento do país, mais receita tem o fundo e maior será o reajuste do professor. Como no ano passado o desempenho econômico do Brasil foi ruim, o reajuste inicialmente previsto em 21% caiu para 7,97%.

De acordo com a CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), 14 Estados da federação não cumpriam integralmente a lei do piso nacional do professor. Além da definição do mínimo a ser pago ao docente para uma jornada de 40 horas semanais, a lei assegura ainda que ao menos 33% dessa carga horária sejam dedicados a atividades extraclasse, para o Professional atender os estudantes e preparar aulas.

 

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas