MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
19/09/2017
09 de junho de 2016 às 12h34 | Rural

Safra de grãos deve ficar 6,5% menor em 2016, estima IBGE

São 13,5 milhões de toneladas a menos em relação a 2015

Por: G1

A safra brasileira de grãos deve recuar 6,5% este ano em relação a 2015, para 195,9 milhões de toneladas, estimou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última quinta-feira (7).

Se concretizada a estimativa, será a maior queda de previsão de safra, em volume, desde 1990, quando a queda havia sido de 15,9 milhões. Neste ano, a previsão é de 13,5 milhões de toneladas a menos em relação a 2015, quando atingiu 209,4 milhões de toneladas, segundo Carlos Antonio Barradas, gerente de agropecuária do IBGE.

“Quando entrou o outono, a gente teve um 'plus' a mais de produção do milho no ano passado. Neste ano, com a soja, no final do ciclo, começaram os problemas de clima. Houve falta de chuva no Centro-Oeste, Goiás, Mato Grosso e na região do Maranhão, Tocantins e Bahia. O que derrubou a safra deste ano é exatamente a falta de chuva na região de serrado nesses estados”, explicou Mauro Andre Andreazzi, gerente de agropecuária.

O gerente explicou que em Mato Grosso a previsão da safra de sorgo, milho e soja é 3,6 milhões de toneladas menor do que a de 2015, enquanto em Goiás é menor em 1,6 milhão. Na Bahia, a queda da safra prevista é de 1,5 milhão, e em Minas Gerais, de 1,4 milhão.

“O problema todo começou em fevereiro, a restrição de chuva, e continuou em março e abril. Esta já é a terceira queda seguida”, explicou Carlos Antônio Barradas, que acrescentou ainda que as safras mais afetadas são as de milho e a soja, cujos volumes são maiores em termos globais.

A estimativa da área a ser colhida é de 57,7 milhões de hectares, informou o IBGE. Isso corresponde a um acréscimo de 0,2% em comparação com a área colhida em 2015. O arroz, o milho e a soja foram apontados pelo IBGE como os três principais produtos que, somados, representam 92,5% da estimativa de produção e 87,4% da área a ser colhida.

“O rendimento caiu muito. Aumentou a área, mas a produção reduziu. E isso tudo por causa da estiagem”, completou. Em relação ao arroz, no entanto, o excesso de chuva no Rio Grande do Sul que afetou a safra. "Se chove na época de colheita, a produção cai. Dificulta a entrada de máquina, a qualidade fica ruim".

Em comparação com a estimativa feita em abril, a queda da previsão da safra foi de 4,6% ou 9,5 milhões de toneladas a menos. O IBGE destacou nas estimativas de produção: trigo (13,2%), algodão herbáceo (2,3%), café arábica (1,2%), soja (-1,7%), arroz (-4,3%), milho 1ª safra (-6,6%), café canephora (-7,4%), milho 2ª safra (-11,1%) e sorgo (-15,1%).

Redução na soja

De acordo com o gerente, em 2016 o Brasil não vai ter safra recorde de soja pela primeira vez desde 2012. A redução de 1,6% no rendimento médio, "em decorrência de longas estiagens enfrentadas em diversos estados brasileiros, foi o principal fator a influenciar essa redução", informou o IBGE.

Estoques

A capacidade de armazenagem agrícola ficou em 166,1 milhões de toneladas no segundo semestre de 2015, informou o IBGE.  Houve um acréscimo de 0,8% no número de estabelecimentos ativos, passando para 7.918 no período. De acordo com o instituto, a região Centro-Oeste foi a que mais aumentou o número de estabelecimentos ativos, 3,7%, a região Nordeste teve a maior queda, ou 1,2%.

Ainda de acordo com o IBGE, a soja foi o único produto que aumentou o volume estocado. O crescimento foi em 2,6%. No entanto, o milho em grão foi o que se destacou com o maior volume estocado, 10,1 milhões de toneladas, apesar da queda ter sido 9,5% menor do que o observado em 31 de dezembro de 2014. O instituto afirmou que “esta redução do volume estocado está diretamente relacionada ao aumento das exportações”.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas