MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
20/10/2019
08 de junho de 2019 às 10h22 | Geral

Shows musicais, comidas típicas e criatividade marcam 13ª edição do Arraial da Reme

As atrações chamaram a atenção para a importância da inclusão social

Por: PMCG
Divulgação/PMCG

Shows musicais, comidas típicas, apresentações de quadrilhas e até um rap chamando a atenção do público para a importância da inclusão social das crianças com deficiências, garantiram a diversão do público de pelo menos cinco mil pessoas que lotou a Praça do Rádio Clube na noite desta sexta-feira (7) para prestigiar a 13ª edição do Arraial Especial da Divisão de Educação Especial da Rede Municipal de Ensino (Reme).

A vice-prefeita, Adriane Lopes, marcou presença na abertura da festa e destacou a proposta de inclusão da festa. “Cada criança que está aqui está vivendo um momento ímpar. Campo Grande precisa de mais eventos como este, de alegria. Tenho certeza que as entidades presentes levarão um pouco deste amor de vocês que vieram prestigiar o evento’, afirmou.

A secretária municipal de Educação, Elza Fernandes, agradeceu o empenho da equipe da Semed na organização da festa. “É muito gratificante fazer essa 13ª edição do Arraial Especial. Quero agradecer o apoio das famílias, professores e alunos que fazem parte deste trabalho. Hoje temos a oportunidade de mostrar um pouco do acolhimento que é feito dentro de nossas unidades, por isso agradeço o empenho, em especial a equipe da Educação Especial, que não mede esforços para realizar esse evento”, enfatizou.

Para Lizabete Coutinho, chefe da Divisão de Educação Especial da Reme, a festa marca também o reconhecimento do trabalho na área da Educação Especial prestado pela Semed, já que o número de alunos atendidos este ano soma 2.400 crianças em toda a Rede, que oferece profissionais e infraestrutura adequada, como as salas de recursos multifuncionais para o atendimento destes alunos. “A cada ano tem aumentado a procura das famílias pelas escolas da Reme devido a qualificação de nossos profissionais, o que torna nosso trabalho uma referência”, disse.

Também prestigiaram o Arraial Especial, a secretária-adjunta de Educação, Soraia Campos, o secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, superintendentes da Semed e os vereadores Valdir Gomes e enfermeira Cida Amaral.

O evento já é uma tradição na Reme desde o ano de 2007 e tem o objetivo de reunir instituições parceiras, especializadas no atendimento às pessoas com deficiência ou altas habilidades, promovendo a interação entre a comunidade escolar, família dos alunos e a sociedade num evento cultural típico. Toda a renda é revertida para as instituições.

Na opinião da assistente social da Juliano Varela, Elizângela de Jesus Ferreira, a festa é uma oportunidade de socialização. “É o momento que eles saem da instituição para conviver com outras crianças. Eles ficam muito ansiosos com a apresentação e ensaiam todo dia’, pontuou. Para a entidade, que atende 234 crianças, o dinheiro arrecadado também é importante e contribui para a compra de material utilizado nas atividades dos alunos.

Fazer o bem

Este ano a animação ficou por conta do repertório do músico Edson Galvão, que mesclou rock, MPB, reggae e pop , da cantora Evelyn Lechuga, que apostou em clássicos da MPB e do músico Waldir Rosa, que apresentou um repertório regional.

Fã de festas juninas, a cantora Evelyn Lechuga, que também é professora de Artes e musicalização da Reme, disse que buscou transmitir um sentimento de acalanto e paz durante sua apresentação. “A música eleva os corações, é sempre bom cantar para as pessoas, meu sentimento sempre é esse quando subo no palco”, afirmou.

Para o músico Edson Galvão, que tem mais de 20 anos de estrada, mas nunca havia se apresentado em um evento com a temática do Arraial Especial, a oportunidade garantiu a experiência de conhecer de perto o trabalho das entidades. “Fazer algo por outra pessoa é como fazer a si mesmo. Sempre faço shows para causas sociais. É importante minimizar a dor dessas crianças e suas famílias”, pontuou.

Além dos músicos convidados, não faltaram as tradicionais quadrilhas de escolas da Reme e de instituições, como APAE, Cotolengo e Juliano Varela, que apostou em uma trilha sonora moderna, mesclando vários ritmos do momento ao invés das tradicionais músicas juninas. Outro destaque foi o grupo de alunos da escola Maestro João Correa Ribeiro, que apresentou, ao lado de professores, o “Rap da consciência”, destacando a importância do respeito às diferenças.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas