MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
20/06/2018
09 de junho de 2018 às 12h03 | Saúde

Superados os entraves burocráticos, Hospital de Cirurgias de Dourados se prepara para ampliar atendimento

O hospital foi entregue à população pelo Governo do Estado em 2015

Por: GOV MS

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) espera receber dentro de uma semana o alvará da Vigilância Sanitária do Hospital Regional de Cirurgias da Grande Dourados, documento que conclui mais uma etapa no processo de atuação da empresa que hoje administra o hospital, a Organização Social Gamp (Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública). O resultado da vistoria sanitária, realizada na unidade nessa quinta e sexta-feira (7 e 8.6), deve ficar pronto até o fim da semana que vem.

Apesar de a empresa ter até seis meses para implantação dos serviços e estar seguindo à risca todos os prazos legais, o hospital já está em funcionamento. Consultas são realizadas e pacientes que aguardavam na fila do Sistema Único de Saúde (SUS) já começam a passar pelas avaliações pré-operatórias.

O hospital foi entregue à população pelo Governo do Estado em 2015, com o objetivo específico de realizar demandas de média e baixa complexidade, o que não é feito no município. “Estamos lá para atender a essas demandas específicas, de baixa e média complexidade”, explica a superintendente Geral de Atenção à Saúde da SES, Mariana Croda.

Fortificando a regionalização da saúde em Mato Grosso do Sul, o Hospital de Cirurgias eletivas irá atender 34 municípios da região, com investimento estadual de R$ 600 mil, além de R$ 1,2 milhão aplicado em equipamentos.

Com 27 leitos, o Hospital Regional de Cirurgias da Grande Dourados se tornará referência em eletivas no Estado com capacidade para realizar 220 cirurgias mensais, nas especialidades de Cirurgia Geral, Ortopedia, Ginecologia, Otorrinolaringologia, Urologia, Vascular e Oftalmologia.

No dia 23 de abril, o hospital abriu a agenda para atendimentos e iniciou as consultas ambulatoriais em 8 de maio. Até hoje, foram realizadas 95 consultas das especialidades pactuadas no contrato com o Governo do Estado.

À época da assinatura do contrato com o Estado, a Gamp precisou emitir novo CNPJ, devido à mudança na empresa. Esse novo cadastro atrasou alguns trâmites burocráticos, como a vistoria da Vigilância Sanitária.

A Gamp tem realizado o processo de regulação dos pacientes em parceria com o Governo do Estado e com as secretarias municipais, por meio da regulação de cada município. A Central de Regulação do Estado (Core) e o Núcleo Interno de Regulação da unidade hospitalar estão alinhados às necessidades dos pacientes e às demandas pelos procedimentos, consultas e exames.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas