MSRepórter - Notícias de Campo Grande-MS
23/08/2017
12 de abril de 2017 às 13h42 | Economia

Vendas no comércio caem em fevereiro de 2017, diz IBGE

No acumulado dos dois meses do ano, o comércio varejista acumula redução de 2,2%

Por: Da Redação
Divulgação/ACICG

As vendas do comércio varejista brasileiro recuaram 0,2% em fevereiro em comparação com janeiro, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (12). Em relação a fevereiro de 2016, o varejo nacional recuou 3,2%, 23ª taxa negativa consecutiva na base de comparação. No acumulado dos dois meses do ano, o comércio varejista acumula redução de 2,2% e, nos 12 meses, de 5,4%.

Já em relação à receita nominal de vendas, houve alta de 0,4% em fevereiro em comparação ao mesmo período de 2016, de 0,1% em relação a janeiro deste ano, de 2,1% nos dois primeiros meses do ano e de 4,2% nos últimos 12 meses.

O IBGE revisou ainda a taxa de janeiro em relação a dezembro. Em vez do recuo de 0,7% divulgado no mês passado, a revisão aponta que houve foi um crescimento de 5,5%. Segundo o instituto, foi feita uma atualização metodológica, aprimorando a amostra e reavaliando o peso de cada uma das atividades.

Atividades

Combustíveis foram principais responsáveis pela queda das vendas em relação a fevereiro de 2016 (Foto: Divulgação/Procon de Maringá) Combustíveis foram principais responsáveis pela queda das vendas em relação a fevereiro de 2016 (Foto: Divulgação/Procon de Maringá)

Combustíveis foram principais responsáveis pela queda das vendas em relação a fevereiro de 2016 (Foto: Divulgação/Procon de Maringá)

Houve predomínio de resultados positivos entre as atividades que compõem o varejo em fevereiro na comparação com janeiro. Os cinco segmentos que mais mostraram avanço foram móveis e eletrodomésticos (3,8%); tecidos, vestuário e calçados (1,5%); livros, jornais, revistas e papelarias (1,4%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1%); e combustíveis e lubrificantes (0,6%).

Por outro lado, as atividades com taxas negativas foram hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,5%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-1,5%); e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-1,8%).

Na comparação com fevereiro de 2016, sete atividades registraram variações negativas: combustíveis e lubrificantes (-8,5%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (-7,7%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-5,1%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,3%); móveis e eletrodomésticos (-3,4%); equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-11,9%); e livros, jornais, revistas e papelaria (-7,0%). A única atividade com desempenho positivo foi tecidos, vestuário e calçados, com taxa de 3,6%.

De acordo com a analista da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Juliana Vasconcellos, o que mais contribuiu para o recuo das vendas em fevereiro na comparação com o mesmo mês do ano anterior foi a atividade de combustíveis e lubrificantes. Segundo o IBGE, a atividade vem apresentando queda desde janeiro de 2015, mesmo com os preços do setor em trajetória declinante, diz o instituto. Para Juliana, a queda nos preços não se refletiu no consumo das famílias.

A pesquisadora ressaltou que, embora a renda do brasileiro tenha se mantido mais estável, se comparada com o ano anterior, e os juros estarem em queda, o desemprego segue prejudicando as vendas no comércio. “A conjuntura continua desfavorável, sem oferta de crédito. A massa de rendimento tem se mantido estável, mas a taxa de desocupação segue alta”, destacou.

Regiões

Na passagem de janeiro para fevereiro, as vendas recuaram em 11 das 27 unidades da Federação, com os maiores recuos em Mato Grosso (-4,7%), Rio Grande do Sul (-4,4%) e Goiás (-4,2%).

Na comparação com fevereiro de 2016, 21 das 27 unidades da Federação apresentaram resultado negativo, com destaque para Goiás (-15%), Tocantins (-14,9%) e Pará, com -14%. Por outro lado, Mato Grosso do Sul (19,1%) e Santa Catarina (10,6%) registraram avanços no volume de vendas.

Varejo ampliado

O comércio varejista ampliado, que inclui além do varejo as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, registrou resultado positivo em relação ao mês anterior de 1,4% para o volume de vendas e 1% para receita nominal de vendas.

Segundo Juliana, a venda de veículos registrou o 36º resultado negativo consecutivo. A atividade registrou queda de 13,6% em fevereiro na comparação com o mesmo mês do ano passado. “A venda de veículos novos e usados já amarga três anos de queda no volume de vendas”, enfatizou.

Em relação ao mês de fevereiro do ano anterior, o comércio varejista ampliado apresentou queda de 4,2% para o volume de vendas e de 1,7% na receita nominal de vendas. Houve queda de 2,1% no ano e de 7,5% nos últimos 12 meses, para o volume de vendas, e avanço de 0,8% e recuo de 0,3% para a receita nominal, respectivamente.

Comente esta Noticia
Notícias Relacionadas