Menu
Busca sexta, 19 de julho de 2024

Endocrinologista contesta proibição à venda de inibidores de apetite

03 maio 2011 - 20h29


Em vez da proibição à venda de alguns inibidores de apetite (sibutramina e anorexígenos anfetamínicos), a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) defende reforço na fiscalização para coibir a prescrição incorreta, abusiva e antiética dessa medicação.

De acordo com a diretora do Departamento de Obesidade e Síndrome Metabólica da entidade, Rosana Bento Radominski, o uso de medicamento pode ser inevitável quando a mudança de estilo de vida do paciente, com a introdução de reeducação alimentar e a prática de atividades físicas, é insuficiente para combater o sobrepeso ou a obesidade.

A endocrinologista participou de audiência pública sobre o assunto, realizada na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), nesta segunda-feira (2).

Rosana Radominski questiona o fato de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se amparar num estudo com alegado alcance restrito para propor a retirada desses medicamentos do mercado.

O levantamento, segundo a médica, apontou maior risco de incidentes cardiovasculares em pacientes obesos cardíacos, diabéticos ou portadores das duas condições tratados com sibutramina.

Mas, em seu ponto de vista, não é razoável extrapolar resultados obtidos em uma população de cardiopatas para pacientes sem doença cardiovascular.

A endocrinologia brasileira está apreensiva com as graves consequências da retirada desses medicamentos para os pacientes que os vêm utilizando com sucesso.

A retirada do mercado estimulará o mercado negro de medicamentos e a prescrição fora da indicação de bula - advertiu Rosana Radominski.

Cautela

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) não fechou posição contra ou a favor da recomendação da Anvisa, mas seu representante na audiência pública ponderou que, sempre que a eficácia de uma medicação gera dúvidas, é preciso ter cautela na orientação sobre seu uso.

O cardiologista Geniberto Paiva Campos observou que a prescrição de inibidores de apetite se torna polêmica pelos efeitos adversos - notadamente problemas cardiovasculares - associados ao seu uso.

Com base em dados do Censo 2010, a SBEM estima em 90 milhões os brasileiros com sobrepeso (50% da população), dos quais 30 milhões são portadores de obesidade.

Rosana Radominski informou ainda que a redução de 5% a 10% no peso do paciente tem impacto significativo na diminuição dos fatores de risco para o surgimento de diabetes e doenças cardiovasculares.

Ao final do evento, o presidente da CDH, senador Paulo Paim (PT-RS), prometeu prosseguir com a discussão em outra audiência pública, já marcada para o dia 31 de maio, às 9h.

A reunião deverá ser realizada em conjunto com duas subcomissões vinculadas à Comissão de Assuntos Sociais (CAS): de Emprego e Previdência e de Saúde.(Agência Senado)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Quer modificar o veículo? CTB prevê que customizações sejam autorizadas pelo Detran
Sala de acomodação sensorial garante espaço reservado para autistas no Bioparque Pantanal
Resiliência: Pantanal Sul-mato-grossense se revela um gigante cheio de vida
Parceria entre governos federal e de MS