Menu
Busca quinta, 23 de maio de 2024

Local é proibido de promover eventos por poluição sonora

22 julho 2014 - 21h56Por Mariana Rodrigues/Informações TJMS

 Em decisão unânime, os desembargadores da 2ª Câmara Cível negaram provimento a um recurso interposto por A.S.C. contra sentença em primeiro grau que julgou procedente o pedido do Ministério Público para determinar que o apelante interrompa suas atividades de promoção de rodeios e shows por emissão de sons em volumes superiores aos estabelecidos pela legislação municipal, sob pena de multa diária de R$ 5.000,00.

Afirma o apelante que o relatório de vistoria foi unilateral, não levando em consideração as condições adversas e os demais ruídos do local, sendo incapaz de comprovar o resultado obtido. Alega também que não houve dano ambiental, pois respeitou os limites de ruídos sonoros, mas foi prejudicado por ruídos externos que não foram desconsiderados na medição e pede nulidade da sentença por cerceamento de defesa.

O relator do processo, Des. Julizar Barbosa Trindade, explica que, para que uma decisão seja anulada em segundo grau sob o fundamento do cerceamento de defesa, o recorrente deverá demonstrar de forma inequívoca que este é indispensável para o desenrolar da causa, o que não ocorreu no caso, pois já existe documento pertinente e esclarecedor quanto aos fatos e apto a formar a convicção do julgador.

Sobre a afirmação de que não foram desconsiderados os ruídos externo, o que talvez tenha levado à sobrecarga das ondas sonoras, uma vez que foi realizado em tempo chuvoso, o relator esclarece que em relatório apresentado pelo Departamento Especial de Apoio às Atividades de Execução, restou esclarecido que os experts foram cautelosos em desconsiderar os ruídos alheios àquele que não é objeto das medições para que não interferissem na medição.

Diante da alegação de que a medição não foi realizada por profissional habilitado, o relator esclarece que, em relatório da Procuradoria-Geral da Justiça, restou esclarecido que a medição foi realizada por uma Engenheira Sanitária e Ambiental e um Engenheiro Agrônomo, os quais são experts no assunto. “Assim, restando comprovado que foram emitidos sons em volumes superiores àqueles estabelecidos (55 decibéis no período diurno e 50 decibéis no noturno) causou poluição de natureza sonora impedindo o sossego e a tranquilidade da população, deve ser mantida a sentença”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ordem do Dia: Seis proposições são aprovadas pelos deputados estaduais
Saiba quais são os bairros que estão na rota do fumacê nesta quinta
Prefeitura entrega sede própria para Grupamento Especializado de Motopatrulhamento de Campo Grande
Café com os conselheiros regionais do centro acontece neste sábado (25)