Rivemat
Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021

Com novas medidas, governo avança para implantar o Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro

O Governo do Estado adotou novas medidas que visam implantar e regularizar o Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro, em Mato Grosso do Sul.

04 maio 2021 - 06h23Por Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Entre elas está a desapropriação de algumas propriedades rurais que ficam nos municípios de Aquidauana e Corumbá.

Estas áreas estão no interior do Parque Estadual. A intenção é proteger e contribuir com a manutenção dos ecossistemas naturais, bem como sua diversidade genética e das espécies que habitam no local.

Os estudos e levantamentos fundiários, assim como a avaliação para desapropriação serão de responsabilidade da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), que vai contribuir para os procedimentos jurídicos da Procuradoria-Geral do Estado (PGE).

Esta iniciativa do Governo visa cumprir uma das medidas previstas em TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), firmado em junho de 2018, que tem a participação da Cesp (Companhia Energética de São Paulo) e mais seis municípios (Bataiporã, Anaurilândia, Bataguassu, Santa Rita do Pardo, Brasilândia e Três Lagoas).

Este acordo prevê aquisições de áreas para implantar a infraestrutura do Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro. O Governo do Estado segue cumprindo seu papel, que é investir e colocar a proteção ambiental e o desenvolvimento sustentável como uma das prioridades da sua gestão. O Decreto que trata da desapropriação de áreas será publicado no Diário Oficial do Estado (DOE).

Parque Estadual

O processo de desapropriação das áreas é mais um passo do governo para implantar a infraestrutura do Parque Estadual. Em novembro do ano passado foi publicado o georreferenciamento da unidade que, segundo o levantamento, constatou uma área total de 76.802,6281 hectares.

Criado no ano 2000, a unidade abrange os municípios de Aquidauana e Corumbá, em área que contempla ambientes representativos e característicos do Pantanal. Um dos objetivos é levar proteção para fauna e flora do local.

Junto com as RPPNs (Reserva Particular do Patrimônio Natural) – Santa Sofia, Fazendinha e Rio Negro, o Parque Estadual do Rio Negro formam o maior conjunto de áreas naturais protegidas pelo Estado, que chegam a cerca de 100 mil hectares.

A unidade tem como atividade principal a pesquisa científica, mas o objetivo no futuro é desenvolver atividades de visitação, arborismo, safári fotográfico, observação de fauna e flora, dispondo de atrativos como trilhas, lagoas, fauna com grandes mamíferos e bosques.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Consórcio Brasil Central autoriza assinatura de contrato para importação da vacina Sputnik V
Novo lote de Coronavac vai acelerar imunização com segunda dose
Levantamento da Agraer abriu caminho para entrega de 1,1 mil títulos em assentamentos no MS
Nova fábrica vai alavancar economia de Ribas do Rio Pardo, avaliam moradores e comerciantes