Menu
Busca terça, 23 de julho de 2024

Comissão vai analisar denúncias de violência em loja da Capital

07 maio 2011 - 18h02

A Comissão Permanente de Trabalho, Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul irá solicitar uma auditoria nos boletins de ocorrências registrados nos últimos anos para verificar quantos casos de violência já aconteceram dentro das Lojas Americanas. 

O presidente da comissão, deputado estadual Laerte Tetila (PT), esteve na tarde de quinta-feira (5) na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) para obter mais informações com a delegada Daniella Kades sobre a denúncia de violência contra o vigilante Márcio Antônio de Souza, de 33 anos, ocorrida no dia 23 de abril, dentro das Lojas Americanas.

Márcio Antônio foi acusado por um segurança de ter furtado um ovo de páscoa da loja. Sem poder dar explicações, foi levado para uma sala reservada e acabou sendo espancado. Na delegacia, o deputado confirmou outros crimes ocorridos no mesmo estabelecimento comercial, sendo um deles contra duas crianças com necessidades especiais.

Na próxima semana, Tetila irá solicitar ao coordenador do Sigo (Sistema Integrado de Gestão Operacional), delegado Jefferson Nereu Luppe, uma auditoria nos boletins de ocorrências. “Por meio do banco de dados da Polícia Civil, pretendemos obter informações sobre os crimes da mesma natureza dentro das Lojas Americanas”, afirmou.

Caso agressão física seja prática costumeira dentro do comércio, a comissão acionará o Mistério Público Estadual. “Constatados os crimes, vamos solicitar que o Ministério Público firme um Termo de Ajuste de Conduta entre a diretoria das Lojas Americanas, Comissão Permanente de Trabalho, Cidadania e Direitos Humanos e Polícia Civil”, explicou Tetila. 

ORIENTAÇÃO

Somente a autoridade policial, se tiver fundadas razões para suspeitar de um indivíduo, é quem pode empreender a revista pessoal. Deste modo, se um comerciante ou segurança suspeitar de um cidadão, o correto é acionar a polícia. “Caso o cidadão sofra constrangimento ilegal, procure a polícia para registrar a ocorrência. Só assim, poderemos evitar que ocorram crimes como estes”, orientou a delegada Daniella Kades.

Para Tetila, os consumidores devem exigir que as redes de supermercado contratem funcionários qualificados. “É lamentável o que aconteceu nas Lojas Americanas. Ao invés da truculência, os seguranças das redes de supermercados devem oferecer aos seus clientes uma acolhida humanizada”, disse o parlamentar.


 


Fonte: Conjuntura Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

Quer modificar o veículo? CTB prevê que customizações sejam autorizadas pelo Detran
Sala de acomodação sensorial garante espaço reservado para autistas no Bioparque Pantanal
Resiliência: Pantanal Sul-mato-grossense se revela um gigante cheio de vida
Parceria entre governos federal e de MS