Rivemat
Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021

Fevereiro laranja: diagnóstico precoce pode salvar vidas de pacientes com leucemia

18 fevereiro 2021 - 11h44

Quando a professora Sheila Mara Nunes dos Santos recebeu o diagnóstico de que seu filho Elias, de apenas 10 anos, estava com leucemia, ela registrou um verdadeiro ciclo de sentimentos, primeiro desacreditou, depois ficou ‘sem chão’ e, em seguida, retomou a fé para lutar contra a doença.

Depois de longos dois anos e três meses, o menino viveu todas as etapas de tratamento, de forma heroica e hoje, com 19 anos, é motivo de orgulho de toda a família. “Nós tratamos o Elias contra uma leucemia linfoide aguda, quando tinha 10 anos, em 2012, e ninguém nunca espera receber uma notícia dessa. A gente sempre acha que é outra coisa, e não câncer”.

Sheila relata que o sentimento de medo foi muito grande. “Quando isso acontece, nos desestrutura emocionalmente, de uma forma que eu não desejo a ninguém. O câncer quando vem, a gente fica procurando os porquês. Foi desesperador por ser uma criança na época”. Hoje, adulto, Elias é um exemplo de dedicação. “Ele não tinha noção do que ele tinha, mas sabia que era uma coisa séria, porque nós tivemos que ficar muito tempo dentro do hospital. O tratamento seguiu logo de imediato, quando o doutor veio trazer o diagnóstico da doença, me disse que era uma doença de alto risco, que ele tinha de 30% a 70% de chance de sobrevida”.

O caminho para que o tratamento funcionasse foi seguir todas as orientações médicas e não perder a fé e a esperança. “Seguimos certinho tudo o que o médico dizia, tudo o que a nutricionista pedia, cuidando ao máximo para que ele não pegasse nenhum outro tipo de infecção. Quando a gente descobre no início, é muito melhor. Nada acontece na vida senão tem um propositivo de Deus, seguimos com fé”!

Para a auxiliar de cozinha, Glaucia Diniz Cristaldo, a doença atingiu seu pequeno Alison quando ele ainda quatro anos, em novembro de 2016, a luta foi intensa e marcada pelo medo e pela dor, mas também pela perseverança e pela vitória contra o câncer. “ O Alison não precisou fazer transplante, graças a Deus, mas o tratamento, no começo, foi bastante invasivo.

Ele tinha muito medo de médico, emagreceu muito, a doença tinha avançado bastante, então ele perdeu os movimentos da perna, dos braços, não abria o maxilar, a medicação causava náuseas”. A mãe de Alison destaca que apesar das lutas, ele se recuperou com uma velocidade surpreendente: “ Ele teve uma recuperação muito rápida, a médica falou para gente: um ano e meio, mas com oito meses ele já tinha finalizado o tratamento intensivo. Graças a Deus ele respondeu rápido o tratamento”.

Para Glaucia, uma campanha como o Fevereiro Laranja pode ajudar aos familiares a encontrar um tratamento precoce. “Na minha opinião tudo o que se diz em campanha a respeito de você diagnosticar antes, ou precocemente, tem muita importância. Meu recado para as mães é que elas confiem em Deus e nos filhos, porque eles têm uma força que a gente imagina.

Eu sempre recebia força por parte do Alison. Ele não me deixava triste, não se deixou abater nem na dor. Confie em Deus e nos médicos, não deixem de ir, por mais que seja sofrido, pois o câncer quando consegue ter um diagnóstico precoce tem cura. Acreditem! Comecem a colocar a esperança no coração de vocês e nos seus filhos. Não desista”.

As duas mães contam que, além do apoio médico, elas contaram com a ajuda AACC (Associação dos Amigos das Crianças com Câncer).

Doação de Medula

O Hemocentro (Hemocentro Coordenador de Mato Grosso do Sul) atua em duas frentes quando o assunto é leucemia. Primeiro em relação ao tratamento com plaquetas e o segundo no cadastro de doador de medula. “Por isso, campanhas como o Fevereiro Laranja são fundamentais porque conscientizam para a importância do tratamento precoce, de uma doença que atualmente atingemais de 10 mil pessoas”, afirma a diretora geral da Rede Hemosul, Marli Vavas.

O Hemosul faz a coleta de plaquetas por intermédio da doação de sangue, em uma coleta especializada chamada Aférese, na qual é possível retirar apenas uma das células do sangue total. “É uma doação a qual sempre estimulamos para que a população faça, uma vez que é muito simples e de recuperação rápida, enquanto que o doador comum precisa esperar três meses para uma nova coleta, o doador de plaquetas pode esperar 48 horas apenas”.

Porém, Marli explica que justamente esse tratamento tem uma característica: a validade da bolsa é de apenas cinco dias. “Por isso, é importante termos doações regulares para mantermos os estoques”. Já o cadastro de doadores de medula pode ser feito porque qualquer pessoa entre 18 e 55 anos. “É muito simples e muito fácil. Basta vir a sede e fazer um cadastro de doação de medula. Retiramos 5ml de sangue e fazemos os exames necessários. Inserimos os dados no Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea), que é um banco mundial de dados de doadores de medula”.

Em Mato Grosso do Sul, o cadastro é de 150 mil pessoas. “É muito importante que a pessoa tenha consciência da importância do ato, porque no momento da compatibilidade ela tem que estar disposta a salvar vidas”. Fevereiro Laranja - O mês de fevereiro foi escolhido para conscientizar a população sobre a leucemia e a importância de se tornar um doador de medula óssea. A Campanha Fevereiro Laranja também busca informar sobre o diagnóstico precoce da doença.

Estatísticas do Instituto Nacional de Câncer (INCA) mostram que a leucemia é o 9º câncer mais comum no sexo masculino e o 11º no feminino.

Principais Sintomas - Os principais sintomas decorrem do acúmulo de células defeituosas na medula óssea, prejudicando ou impedindo a produção das células sanguíneas normais.

A diminuição dos glóbulos vermelhos ocasiona anemia, cujos sintomas incluem: fadiga, falta de ar, palpitação, dor de cabeça, entre outros. A redução dos glóbulos brancos provoca baixa da imunidade, deixando o organismo mais sujeito a infecções muitas vezes graves ou recorrentes. A diminuição das plaquetas ocasiona sangramentos, sendo os mais comuns das gengivas e pelo nariz e manchas roxas (equimoses) e/ou pontos roxos (petéquias) na pele.

O paciente pode apresentar gânglios linfáticos inchados, mas sem dor, principalmente na região do pescoço e das axilas; febre ou suores noturnos; perda de peso sem motivo aparente; desconforto abdominal (provocado pelo inchaço do baço ou fígado); dores nos ossos e nas articulações.

Caso a doença afete o Sistema Nervoso Central (SNC), podem surgir dores de cabeça, náuseas, vômitos, visão dupla e desorientação. Depois de instalada, a doença progride rapidamente, exigindo que o tratamento seja iniciado logo após o diagnóstico e a classificação da leucemia. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Consórcio Brasil Central autoriza assinatura de contrato para importação da vacina Sputnik V
Novo lote de Coronavac vai acelerar imunização com segunda dose
Levantamento da Agraer abriu caminho para entrega de 1,1 mil títulos em assentamentos no MS
Nova fábrica vai alavancar economia de Ribas do Rio Pardo, avaliam moradores e comerciantes