Rivemat
Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021

Inibidores de apetite são "muletas" que não alteram maus hábitos, diz fisiologista

28 junho 2017 - 19h23

Esta semana a Câmara dos Deputados sancionou uma lei que reacendeu uma antiga discussão: a liberação dos chamados inibidores de apetite. Os medicamentos sibutramina, anfepramona, femproporex e mazindol foram liberados para consumo mediante prescrição médica.

Na verdade, a discussão sobre a indicação desses medicamentos já é antiga e resgata uma polêmica cujos ingredientes já são bem conhecidos. Os medicamentos acima têm propriedades farmacológicas capazes de inibir o apetite, e, consequentemente, trazem resultados na grande maioria dos casos de redução de peso, representando um aliado muitas vezes importante no combate à obesidade, principalmente quando este quadro está ameaçando seriamente a saúde.

O problema que gera toda a discussão diz respeito aos seus efeitos colaterais, inclusive relatados em pesquisas científicas, como arritmia cardíaca, distúrbios do sono, alterações de humor entre outros. Outra questão que não pode ser esquecida é a dependência que estes medicamentos geram, representando uma espécie de “muleta” da qual o indivíduo passará a ser dependente a partir do início do seu uso. Podemos dizer que quando esta muleta for retirada, o problema voltará a existir. Os medicamentos não alteram os maus hábitos que levaram ao excesso de peso e sim estabelecem um “freio” farmacológico no apetite.

Após a suspensão do uso, quase com certeza absoluta será instalado o famoso efeito “sanfona”, que caracteriza a volta dos maus hábitos comportamentais e a recuperação do peso perdido, muitas vezes com resultados finais piores do que quando se iniciou o tratamento. Não é novidade a importância que o início de um programa de atividades físicas teria nesses casos. Até e principalmente associado à um eventual tratamento com os medicamentos.

O exercício pode modificar os maus hábitos. Quando a prática de uma atividade física for incorporada como uma rotina que o indivíduo adote com prazer de praticar, ele pode passar a depender cada vez menos da “muleta” farmacológica. O exercício muda a química cerebral e inibe a ansiedade, diminuindo a apetite.

O desafio é sempre o mesmo: indicar o programa adequado respeitando as características e necessidades individuais. O indivíduo ficar dependente de fazer exercício é saudável e só apresenta efeitos colaterais favoráveis, ao contrário dos medicamentos. Portanto, o que seria preciso aprovar seria não exatamente um inibidor de apetite e sim um “inibidor da preguiça”.

Por Turibio Barros, Miami, EUA

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Consórcio Brasil Central autoriza assinatura de contrato para importação da vacina Sputnik V
Novo lote de Coronavac vai acelerar imunização com segunda dose
Levantamento da Agraer abriu caminho para entrega de 1,1 mil títulos em assentamentos no MS
Nova fábrica vai alavancar economia de Ribas do Rio Pardo, avaliam moradores e comerciantes