Menu
Busca terça, 23 de julho de 2024

Jogadores do Once Caldas ameaçam greve por falta de salário

10 maio 2011 - 19h57

Os jogadores do Once Caldas-COL deram um ultimato à diretoria do clube. Se os salários atrasados não forem pagos até o próximo dia 15, domingo, eles param de jogar. Isso significaria que a equipe campeã continental de 2004 pode não entrar em campo para jogar a partida de volta das quartas de final da Taça Libertadores, contra o Santos, marcada para o dia 18. O jogo de ida será nesta quarta-feira (11), às 20h50m (horário de MS), no estádio Palogrande, em Manizales, Colômbia.


A diretoria se mexe para tentar acertar tudo até a próxima sexta-feira. O clube deve US$ 1,3 milhões em salários (R$ 2,09 milhões). Os jogadores não recebem há três meses. O técnico Juan Carlos Osório, há seis. A dívida total do Once Caldas é de US$ 4,5 milhões (R$ 7,2 milhões). Ou seja, quase um terço do débito é referente ao pagamento do elenco e da comissão técnica. A folha mensal custa US$ 450 mil (R$ 721 mil): somados, Neymar e Ganso ganham mais do que todo o elenco do clube colombiano.


- Tem um acordo para que tudo seja acertado logo. Depois do dia 15 (se não houver o pagamento), vamos pensar no que fazer. Me parece que o clube já conseguiu um patrocínio. Esperamos que o dinheiro apareça - afirma o meia Valentierra.


O patrocinador deverá fechar com o clube nesta terça-feira. Mas o aporte será de US$ 750 mil (R$ 1,2 milhão). Valor insuficiente para quitar todo o débito com os jogadores.


O atacante Rentería chegou ao Once Caldas em janeiro. Até agora, não recebeu nenhum salário.


- A situação é complicada, mas estou fazendo o meu papel. Já se falou em parar, mas esperamos que não aconteça.


Helton Verão/Globoesporte.com

Deixe seu Comentário

Leia Também

Quer modificar o veículo? CTB prevê que customizações sejam autorizadas pelo Detran
Sala de acomodação sensorial garante espaço reservado para autistas no Bioparque Pantanal
Resiliência: Pantanal Sul-mato-grossense se revela um gigante cheio de vida
Parceria entre governos federal e de MS