Menu
Busca terça, 23 de julho de 2024

Desesperada, mãe acorrenta filho viciado em Caarapó

05 junho 2013 - 21h58Por Mariana Anjos / Com Informações Caarapó News

Um ato de desespero e amor. Depois de ver o filho se acabar no consumo de crack, a dona de casa Marilene Alves Leôncio, 53 anos, moradora na Avenida Dom Pedro II, na Vila Planalto, em Caarapó, acorrentou o filho e colocou um cadeado. Agressivo, o rapaz de 26 anos não se conforma em ficar em casa e constantemente faz até ameaças de morte a mãe.

Foi na noite de segunda-feira (3) que a dona de casa resolveu tomar a decisão de não deixar o filho sair de casa. Recentemente ela procurou ajuda ao site Caarapo News e as autoridades do município, entre elas um vereador e o defensor público, mas a grande dificuldade é encontrar uma vaga para internação.

"Toda vez que procuro internação a resposta é a mesma: não há vagas. Não dá para deixar ele assim. Estou com medo, quero salvar meu filho", desabafa a mãe, que não possuiu condições de pagar um tratamento particular.

Marilene conta que o rapaz ficou furioso com as correntes, mas essa foi à única solução que ela disse ter encontrado para que ele não saia de casa. “Ele está nervoso, agressivo, faz ameaças e tentou estourar o cadeado, só não conseguiu porque os seus irmãos ficam em cima. È difícil ver ele assim, mas foi a única maneira que encontrei para que não matem ele na rua”, explica.

Ameaças de morte

A intranquilidade na vida da família é constante, não a um minuto de sossego. Quando não são os gritos do filho usuário de drogas, Marilene atende pessoas que chegam na porta da casa dela cobrando dívidas de droga e querendo dinheiro. Alguns dizem que vão matar o filho viciado.

"Ele pega celular e as coisas das pessoas, vende e fuma tudo em droga. Eles já me avisaram que vão matar meu filho e não vão perdoar. Preciso salvá-lo e arrumar logo uma clínica para ele deixar as drogas", suplica a mãe.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Quer modificar o veículo? CTB prevê que customizações sejam autorizadas pelo Detran
Sala de acomodação sensorial garante espaço reservado para autistas no Bioparque Pantanal
Resiliência: Pantanal Sul-mato-grossense se revela um gigante cheio de vida
Parceria entre governos federal e de MS