Menu
Busca sexta, 24 de maio de 2024

Aluno ganha indenização por ter dedo esmagado em porta de escola

29 julho 2014 - 00h30Por Mariana Rodrigues/Informações TJMS

 O juiz titular da 3ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos de Campo Grande, Ricardo Galbiati, julgou procedente a ação movida por K.A.R. contra o Município de Campo Grande, condenando-o ao pagamento de R$ 18.600,00 de indenização por danos morais devido à lesão corporal sofrida pelo autor e provocada pela professora dentro da escola em que estudava.

Narra o autor da ação que no dia 7 de agosto de 2007 teve o quinto dedo da mão direita esmagado na porta da sala de aula na escola Municipal em que estudava devido à atitude inconsciente de uma professora, que a fechou bruscamente.

Disse que, mesmo com seus gritos e insistência dos colegas de sala, a professora nada fez para reverter a situação, e, inclusive, sentou-se em seu lugar, demonstrando pouco caso com ele. Além disso, sustentou que teve sua mão livre apenas quando outra professora abriu a porta e o socorreu.

Alegou ainda que, após ficar três dias internado em um hospital, precisou realizar uma cirurgia e que, ao passar pela perícia médica, foi constatada a existência de lesão corporal grave, o que demonstra  a seriedade do ferimento sofrido.

Desta forma, pediu pela condenação do réu para que efetue o pagamento de R$ 18.600,00 de indenização por danos morais.

Em contestação, o Município de Campo Grande alegou que a enfermidade apresentada pelo autor não diz respeito aos fatos apresentados na ação, pois, se a lesão realmente fosse de natureza grave, o perito não teria pedido exames complementares.

Disse ainda que no exame realizado um ano após o fato, o perito constatou que o autor sofre “eventual” dor no dedinho e, assim, pediu pela improcedência da ação.

Ao analisar os autos, o magistrado observou que o laudo de exame de corpo de delito apresenta que, a princípio, a lesão corporal sofrida pelo requerente foi de natureza grave, mantendo-se assim por um ano e cinco meses, sendo que apenas após tratamento adequado regrediu para natureza leve.

Desta maneira, o pedido de indenização por danos morais foi julgado procedente, uma vez que a lesão corporal provocada pela professora durante período de aula e dentro da instituição de ensino em que o autor estudava gerou um sofrimento que ele vai levar por toda a sua vida.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ordem do Dia: Seis proposições são aprovadas pelos deputados estaduais
Saiba quais são os bairros que estão na rota do fumacê nesta quinta
Prefeitura entrega sede própria para Grupamento Especializado de Motopatrulhamento de Campo Grande
Café com os conselheiros regionais do centro acontece neste sábado (25)