Menu
Busca sábado, 02 de março de 2024

Redução nas taxas notariais e ampliação do "Energia Social" foram aprovados pela CCJR

Nesta manhã (6), os deputados que compõem a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) se reuniram e relataram diversas matérias.

06 dezembro 2023 - 11h19Por ALEMS

Entre elas, foi acatado pelo grupo de trabalho a tramitação de projetos que diminuem as taxas em alguns serviços notariais em Mato Grosso do Sul e a reorganização do Programa Energia Social, que entre as mudanças, altera a renda familiar per capta para quem pretende se inscrever, para até dois salários mínimos.

A presidente do grupo de trabalho, Mara Caseiro (PSDB), relatou o Projeto de Lei 330/2023, que reorganiza o Programa Energia Social: Conta de Luz Zero, no âmbito do Estado de Mato Grosso do Sul, e dá outras providências. A matéria que beneficia a população vulnerável do Estado, foi acatada por todo grupo e tramitará na Assembleia Legislativa regularmente.

Durante a reunião, a análise dos membros da CCJR, presidida por Mara Caseiro

 

Outros dois projetos foram relatados pela parlamentar. O Projeto de Lei 340/2023, de autoria do Poder Judiciário, que cria cargos na estrutura funcional do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul, altera a Lei 3.687, de 9 de junho de 2009, e a Lei 3.310, de 14 de dezembro de 2006, e dá outras providências. E o Projeto de Lei 339/2023, que dispõe sobre o subsídio dos membros da magistratura do Estado de Mato Grosso do Sul. Ambas propostas seguem para análise em Plenário.  

O vice-presidente da CCJR, deputado Junior Mochi (MDB), relatou o o Projeto de Lei Complementar 23/2023, que acrescenta dispositivo à Lei Complementar 179, de 17 de dezembro de 2013, que fixa a Receita do Fundo Especial para o Aperfeiçoamento e o Desenvolvimento das Atividades da Defensoria Pública (Funadep) para o Fundo Especial da Procuradoria-Geral do Estado (FUNDE-PGE).

Considerada constitucional, o objetivo da matéria é a redução dos custos dos emolumentos dos serviços notariais e de registros, estabelecendo a diminuição do percentual incidente sobre os atos de escrituras com valor declarado na proporção de 33% (trinta e três por cento), nos recursos destinados ao Funadep e ao Funde-PGE.

Também relatado por Junior Mochi o Projeto de Lei Complementar de 17/2023, de autoria do Poder Executivo, que altera e acrescenta dispositivos à Lei Complementar 53, de 30 de agosto de 1990, e à Lei Complementar 190, de 4 de abril de 2014, e dá outras providências; e o Projeto de Lei 333/2023, de autoria do Poder Executivo, que altera a redação e acrescenta dispositivos à Lei 90, de 2 de junho de 1980, que dispõe sobre as alterações do meio ambiente, estabelece normas de proteção ambiental. Ambos tramitarão regularmente na ALEMS.

Assessoria Jurídica da Comissão de Constituição, Justiça e Redação da ALEMS

 

Por fim, o deputado Junior Mochi também relatou o Projeto de Lei 329/2023, do Poder Executivo, que cria o Programa Mananciais Sustentáveis, para recuperação e perenização hídrica, no âmbito do território do Estado de Mato Grosso do Sul, na forma que especifica; o Projeto de Lei 348/2023, do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, altera e acrescenta dispositivos à Lei 4.633, de 24 de dezembro de 2014, que fixa receita para o Fundo Especial de Apoio e Desenvolvimento do Ministério Público (FEADMP/MS), e dá outras providências; e o Projeto de Lei 338/2023, do Poder Judiciário, que dispõe sobre a fixação de emolumentos devidos pelos atos praticados pelos serviços notariais e de registro e dá outras providências. As três matérias receberam pareceres favoráveis e tramitarão regularmente.

Relatado pelo deputado João César Mattogrosso (PSDB) o Projeto de Lei 343/2023, do Poder Executivo, que dispõe sobre a conservação, a proteção, a restauração e a exploração ecologicamente sustentável da Área de Uso Restrito da Planície Pantaneira (AUR-Pantanal), no âmbito do Estado de Mato Grosso do Sul, e cria o Fundo Estadual de Desenvolvimento Sustentável do Bioma Pantanal foi considerado constitucional. A matéria estabelece regras de conservação e proteção no importante bioma.

O deputado João César Mattogrosso (PSDB) fez a devolução do Projeto de Lei 341/2023, do Poder Executivo, que altera a redação e acrescenta dispositivos na Lei 1.102, de 10 de outubro de 1990, que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis do Poder Executivo, das Autarquias e das Fundações Públicas do Estado de Mato Grosso do Sul, e dá outras providências. O projeto, que prevê no Estatuto do Servidor a possibilidade de apuração de frequência não apenas por meio de ponto, seja eletrônico ou seja manual, mas também mediante o cumprimento de metas de desempenho pré-estabelecidas em regulamento, em caso de adoção do regime de teletrabalho, foi considerado constitucional.

Também relatado por João César Mattogrosso o Projeto de Lei 324/2023, que dispõe sobre os cargos, as atribuições e o sistema remuneratório dos servidores da carreira Procurador de Entidades Públicas, em extinção, e dá outras providências.

O deputado Antonio Vaz (Republicanos) relatou o Projeto de Lei 29/2022, de autoria da deputada Mara Caseiro, que cria o Estatuto da Mulher Parlamentar e Ocupante de Cargo ou Emprego Público, no âmbito do Estado de Mato Grosso do Sul. A matéria foi considerada constitucional com a incorporação da emenda substitutiva integral número 1.

A reunião ordinária acontece a partir das 9h, no Plenarinho Nelito Câmara

 

Também considerados constitucionais outras duas matérias relatadas por Antonio Vaz. O Projeto de Lei 326/2023, de autoria do deputado Coronel David (PL), que declara de Utilidade Pública Estadual a Associação dos Agricultores Familiar do Município de Rio Negro Estado de Mato Grosso do Sul - ASRIO. E o Projeto de Decreto Legislativo 27/2023, que aprova o Plano de Aplicação de Recursos do Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundersul), para o exercício de 2024.  

Por fim, Vaz relatou o Projeto de Lei 287/2023, de autoria do deputado Roberto Hashioka (União), que dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas prestadoras dos serviços de televisão, internet ou telefonia por assinatura, após o cancelamento do serviço, realizarem a remoção e o descarte do cabeamento inativado e dá outras providências. A matéria recebeu parecer favorável, entretanto o deputado João César Mattogrosso (PSDB) pediu vistas da matéria.

O deputado Pedrossian Neto (PSD) relatou o Projeto de Decreto Legislativo 25/2023, de autoria do deputado Zeca do PT (PT), que declara a festa do Toro Candil de Porto Murtinho como patrimônio imaterial e cultural do Estado de Mato Grosso do Sul. A matéria tramitará regularmente na ALEMS.

Também relatado por Pedrossian Neto o Projeto de Lei 271/2023, de autoria do deputado João Henrique (PL), que dispõe sobre o envio de mensagens instantâneas sobre a utilização do sangue doado no âmbito do Estado de Mato Grosso do Sul. O projeto foi considerado inconstitucional, mas não foi votado pelos demais membros, pois o deputado estadual Junior Mochi pediu vistas da matéria.

Por fim, o parlamentar relatou o Projeto de Lei 316/2023, de autoria do deputado Professor Rinaldo (Podemos), que declara a Utilidade Pública do Instituto de Conservação de Animais Silvestres (ICAS), com sede no Município de Campo Grande-MS. A matéria foi considerada constitucional e tramitará regularmente na Assembleia Legislativa. Durante a reunião do grupo de trabalho, outras nove matérias foram distribuídas. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Palestras ajudam usuários da rede de Assistência Social
No Pantanal de Corumbá, Ponte do Passo do Lontra terá iluminação em LED solar
Para abastecer rede de Dourados, Hemosul convoca doadores de sangue neste fim de semana
Procon na Rua atende consumidores sábado no Portal Caiobá, em Campo Grande