Menu
Busca domingo, 26 de maio de 2024

TCE-MS E GOVERNO DIGITAL

Ao adotar, como política de gestão, investimentos consistentes em suportes tecnológicos e na qualificação de seus quadros, o TCE-MS acelera a transformação digital também junto a jurisdicionados.

23 outubro 2022 - 09h18Por TCE MS

Como responsáveis não só por zelar pela correta aplicação dos recursos públicos em todas as esferas da gestão governamental, mas também por assegurar a eficácia desses investimentos em benefício da sociedade, os Tribunais de Contas qualificam permanentemente sua infraestrutura tecnológica como ferramenta essencial à eficiência do controle externo.

No contexto em que as fronteiras da vanguarda tecnológica se ampliam constantemente, a revolução digital responde, também, pela conformação de cidadãos cada vez mais conscientes de que devem cobrar eficiência, presteza e correção dos governantes.

Diante do que, como instituições constitucionalmente responsáveis pela boa governança pública, os Tribunais de Contas assumem crescente relevância não só no controle externo – sua atribuição essencial –, mas no empenho permanente pela transferência, aos entes jurisdicionados, de tecnologias que permitam a progressiva construção de governos digitais em todas as esferas de gestão governamental.

A propósito, cinco entidades representativas dos Tribunais de Contas, à frente o Instituto Rui Barbosa (IRB) e a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), acabam de divulgar recomendação a todas as Cortes de Contas, para que adotem “os princípios, regras e instrumentos da Lei Federal 14.129/2021” – a chamada Lei do Governo Digital – enfatizando a importância do estímulo à adesão dos entes jurisdicionados àquele diploma legal.

Ao sugerir que os Tribunais de Contas editem atos normativos internos que objetivem tal adesão, as entidades destacam que a efetivação das diretrizes do Governo Digital assegurará a promoção do desenvolvimento tecnológico e da inovação, com aplicação da inteligência de dados.

A construção desse ecossistema de inovação continuada resultará, como preconiza a recomendação, em ganhos diretos para as atividades-fim dos Tribunais, auxiliando “no planejamento, na identificação tempestiva, preventiva e automatizada de riscos e de indícios de irregularidades e na avaliação de achados de auditoria.”

Nos últimos anos o TCE-MS tem adotado, como política de gestão, investimentos consistentes em suportes tecnológicos e na qualificação profissional de seus quadros, com foco geração/apropriação de Conhecimento como ferramenta estratégica de inovação. Essa política tem resultado na estruturação de avanços importantes na área da Tecnologia da Informação.

Tais avanços continuados configuram a dinâmica prodigiosa da Transformação Digital, mobilizada pelo nosso Tribunal como instrumento de vanguarda para garantir crescente qualidade e eficiência no exercício de suas atribuições. E mais: ao transferir a nossos jurisdicionados todo esse patrimônio de avanços tecnológicos e de valores inerentes à inovação, o TCE-MS contribui para qualificar a governança pública a serviço da cidadania.

Como resultado desse empenho adotado como política institucional, nossa Corte de Contas encontra-se estruturada – quanto aos suportes técnicos e, principalmente, quanto a conceituação de uma cultura da inovação – para empreender, com os entes jurisdicionados, a paulatina efetivação da Lei do Governo Digital, como preconizam as entidades representativas do Sistema Tribunal de Contas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ordem do Dia: Seis proposições são aprovadas pelos deputados estaduais
Saiba quais são os bairros que estão na rota do fumacê nesta quinta
Prefeitura entrega sede própria para Grupamento Especializado de Motopatrulhamento de Campo Grande
Café com os conselheiros regionais do centro acontece neste sábado (25)