Menu
Busca terça, 23 de julho de 2024

Pico da cheia de 2011 vai inundar cerca de 23% do Pantanal

29 abril 2011 - 19h00

Quando a cheia de 2011 chegar ao máximo previsto pela régua de Ladário, a área inundada no Pantanal pode atingir mais de 35 mil quilômetros quadrados, ou seja, uma área correspondente a 5 mil campos de futebol, segundo a Embrapa Pantanal.



A previsão foi feita por meio de um sistema de alerta, para cheias e secas, que visa auxiliar produtores rurais na tomada de decisões e minimizar prejuízos.



“As informações podem ser veiculadas por diversos meios de comunicação para informar entidades de classe (como sindicato rurais e comunidades de pescadores), o poder público e outros públicos de interesse.



É interessante que essa informação circule também em programas de rádio, muito populares e de grande alcance no Pantanal”, afirma Carlos Roberto Padovani, pesquisador da Embrapa.



Todo ano, o Pantanal convive com os chamados pulsos de inundação. Em determinada época a planície fica inundada e, em outra, seca. Em função desse ciclo, a pecuária (principal atividade econômica da região) tem de se adaptar.



Na época de enchente, às vezes é necessário deslocar o gado das áreas mais baixas para as regiões mais altas. E essa é uma decisão difícil para o pecuarista, pois envolve gastos e riscos para o rebanho.


A planície pantaneira tem aproximadamente 150 mil quilômetros quadrados e o cenário traçado para a cheia atual indica que pelo menos 23% dessa área estará debaixo d’água quando for registrado o nível máximo do rio Paraguai em Ladário.



Para chegar a esses resultados, os cálculos levaram em conta dados de geotecnologia, climáticos e hidrológicos, considerando um conjunto maior de informações além da régua de Ladário.
Essa régua, mantida pela Marinha do Brasil, é utilizada desde 1900 para acompanhar o nível do rio Paraguai no município.


 


Helton Verão/Globo Rural

Deixe seu Comentário

Leia Também

Quer modificar o veículo? CTB prevê que customizações sejam autorizadas pelo Detran
Sala de acomodação sensorial garante espaço reservado para autistas no Bioparque Pantanal
Resiliência: Pantanal Sul-mato-grossense se revela um gigante cheio de vida
Parceria entre governos federal e de MS